Certeza e Autoridade

Certeza e Autoridade




Para fazer-te saber a certeza das palavras da verdade, e assim possas responder palavras de verdade aos que te consultarem? Provérbios 22:21

Mas desejamos que cada um de vós mostre o mesmo cuidado até ao fim, para completa certeza da esperança; Hebreus 6:11

Para que conheças a certeza das coisas de que já estás informado. Lucas 1:4

Ora, a fé é o firme fundamento das coisas que se esperam, e a prova das coisas que se não vêem. Hebreus 11:1

E para que tivessem a autoridade de curar as enfermidades e expulsar os demônios: Marcos 3:15

E maravilharam-se da sua doutrina, porque os ensinava como tendo autoridade, e não como os escribas. Marcos 1:22

E todos se admiraram, a ponto de perguntarem entre si, dizendo: Que é isto? Que nova doutrina é esta? Pois com autoridade ordena aos espíritos imundos, e eles lhe obedecem! Marcos 1:27

E a multidão, vendo isto, maravilhou-se, e glorificou a Deus, que dera tal autoridade aos homens. Mateus 9:8

Acima de todo o principado, e poder, e potestade, e domínio, e de todo o nome que se nomeia, não só neste século, mas também no vindouro; Efésios 1:21

Muitos que escutam um estudo bíblico pela primeira vez ficam um pouco confusos sobre o que está acontecendo. O que, afinal de contas, os pregadores estão fazendo com aquele monte de frases, escolhidas aparentemente a esmo dentro dos diversos livros que compõe as Escrituras, a citação de diversas e misteriosas referencias, e o que pretendem fazer com isso tudo?
 

Na medida em que ouvimos uma pregação, se tudo correr bem,  veremos as peças do quebra-cabeça de interpretação sendo colocadas em seus devidos lugares e a meditação unirá os tais textos escolhidos, sobre uma determinada ótica, e se descortinará diante de nossos olhos perplexos, um tema novo, uma lição espiritual coerente, que de algum modo mágico, uniu os tais textos lidos.

Existem, obviamente, várias escolas de interpretação bíblica, assim como diversos meios de desenvolvimento de assuntos bíblicos através de diversificados estudos, nos quais (normalmente) assuntos variados serão tratados de modo sistemático, de modo histórico, de modo cronológico, etc.

Porém… mesmo assim, O que é isso, o que permite-nos extrair tantas lições, coerentes, de tantos livros diferentes? Escrituras é o nome que damos a coleção de 66 livros, 39 do Velho e 27 do Novo testamento, escritas num período que abrange cerca de 2000 anos.  E o qual o significado de escolher um texto deste compendio, extrair um versículo e a partir deste, enunciar uma lei espiritual? Como se cada frase das Escrituras contivesse uma verdade, e essa verdade contivesse uma aplicação espiritual que abrange além da vida humana, até aos anjos? E se for mesmo isso, afinal quem afere a qualidade das Escrituras é simplesmente Jesus chamado Cristo, então, como é isso, o que valida esse uso dos textos bíblicos, como Paulo, João e mesmo Jesus, faziam?

 

A divisão do Antigo Testamento em versículos foi estabelecida por estudiosos judeus das Escrituras Sagradas, chamados de massoretas. Com hábitos monásticos e ascéticos, os massoretas dedicavam suas vidas à recitação e cópia das Escrituras, bem como à formulação da gramática hebraica e técnicas didáticas de ensino do texto bíblico. Foram eles que, entre os séculos IX e X, primeiro dividiram o texto hebraico (do Antigo Testamento) em versículos. Influenciado pelo trabalho dos massoretas no Antigo Testamento, um impressor francês chamado Robert d´Etiénne, dividiu o Novo Testamento em versículos no ano de 1551. D´Etiénne morava então em Gênova, na Itália.



 

É importante entender que muitas frases ou trechos originais foram divididos em duas ou mais orações. Por exemplo, no Salmo 88:

51 Considerai, Senhor, a vergonha imposta aos vossos servidores. Levo em meu seio ultrajes das nações pagãs,

52 insultos de vossos inimigos, Senhor, injúrias que lançam até nos passos daquele que vos é consagrado.

Note que acima escrevemos uma oração dividida em trechos menores, em dois versículos. Preciso ler no mínimo os dois versículos, o que compreende um trecho (dois ou mais versos), pra manter completo o pensamento original.

Outro exemplo, em Romanos capitulo 11:

3 Ó profundidade das riquezas, tanto da sabedoria, como da ciência de Deus! Quão insondáveis são os seus juízos, e quão inescrutáveis os seus caminhos!

34 Por que quem compreendeu a mente do Senhor? ou quem foi seu conselheiro?

35 Ou quem lhe deu primeiro a ele, para que lhe seja recompensado?

36 Porque dele e por ele, e para ele, são todas as coisas; glória, pois, a ele eternamente. Amém.


 

Essa porção das Escrituras é um cântico! É uma canção, ou uma oração de louvor. Devo ler ela assim:

Ó profundidade das riquezas, tanto da sabedoria, como da ciência de Deus! Quão insondáveis são os seus juízos, e quão inescrutáveis os seus caminhos! Por que quem compreendeu a mente do Senhor? ou quem foi seu conselheiro? Ou quem lhe deu primeiro a ele, para que lhe seja recompensado? Porque dele e por ele, e para ele, são todas as coisas; glória, pois, a ele eternamente. Amém.

Embora pudesse meditar em uma de suas orações, mesmo desenvolver uma palestra inteira num pedaço deste louvor, descobrindo coisas profundas num só versículo.

Essa parte do comentário é para lembrar que a divisão em versículos das Escrituras é um recurso didático, um apoio à memorização, à consulta, à seleção, à busca de uma passagem especifica. Contudo não inclui essa tal divisão alguma regra para interpretação da mesma.

Nem somos, nós os intérpretes, autorizados a desenvolver quaisquer doutrinas baseados em versículos. 
 

Voltando ao assunto principal, o que concede, às Escrituras essa característica de conseguirmos ler nelas, em trechos e em versículos, leis espirituais abrangentes? Leis que definem a vida, o tempo, o mundo, as relações humanas, as verdades espirituais, as operações divinas, a eternidade, e outras tantas questões?

E como os pregadores enxergam tais realidades ou verdades espirituais contidas nos textos bíblicos?

O hino de Paulo que coloquei esclarece parte desse mistério.

PROFUNDIDADE

Ele se maravilha com a PROFUNDIDADE das Escrituras. As Escrituras possuem uma dimensão de profundidade espiritual incomparável, proposital, espalhada em seus textos, possuindo inspiração divina e abrangendo verdades que são maiores que as que os autores podiam vislumbrar. Muitos profetas falam de coisas que não entendem, descrevem coisas cujo significado lhes é oculto.

SABEDORIA

Parte do que lemos seja no Antigo ou no Novo Testamento compreendem revelações divinas que contém em seu bojo a SABEDORIA de Deus.

RIQUEZAS

Essa tremenda sabedoria é uma fonte inesgotável de RIQUEZAS espirituais. Ao meditarmos nas Escrituras, seja em capítulos, trechos, versículos, nos deparamos com essa condição que permeia as páginas de toda a Bíblia, uma revelação abrangente que percorre a MENTE de Deus! É dessa mente que vários pensamentos são integralmente descritos nas Escrituras.

CIENCIA

As Escrituras são obra do Espírito de Deus e revelam um pouco de sua CIENCIA, ou de seu CONHECIMENTO. E contém a chave de diversos mistérios da vida humana e da vida espiritual. Estou sendo comedido em dizer apenas: “diversos mistérios”.

ORIGINALIDADE

Como prova da AUTENTICIDADE, da VERDADE da autoria, da veracidade da fonte, Deus traduz sua CIENCIA em realidades que somente são questionadas ou demonstradas nas Escrituras. Nenhum outro livro, escrito por pessoas (eu, tu, nós, eles), segue tão longe e nem é tão original na abordagem de certas questões da vida. Nem o poderia ser. Porque nós seres humanos somos envoltos em trevas espirituais, somos toupeiras nas coisas relacionadas aquilo que é invisível.
 

Medito… Se o invisível fosse visível, talvez entendêssemos melhor os mistérios da vida… Mas, Deus nos concede a visão do que não poderíamos conhecer, de jeito algum!  E além dessa originalidade, temos uma dimensão concedida através e somente através das Escrituras. A dimensão da fé.

Com base no que foi dito, nesta Profundidade, na Sabedoria, nas Riquezas e no Conhecimento, manifestos pelas Escrituras, podemos começar a entender como pequenas porções da mesma possuem significados tão magníficos ou profundos. Podemos agora realizar um exercício prático sobre isso. Vou juntar alguns textos do inicio desse estudo e meditar sobre o que significa:  


AUTORIDADE ESPIRITUAL.

De modo didático, as Escrituras traduzem, para os que crêem, regras, leis, axiomas ou princípios espirituais que vou agrupar neste estudo em quatro peculiaridades:

a) Revelação  

b) Certeza

c) Verdade.   

d) AUTORIDADE

 

Não significa que os textos possuam somente quatro ou sete ou 243 características… mas vou enfatizar essas quatro.

O livro de Provérbios cita certeza das palavras da verdade. Lucas cita certeza das coisas que já estás informado. O livro de Hebreus cita que a fé é a certeza das coisas que se esperam. E quando lemos a respeito de Cristo encontraremos: E maravilharam-se da sua doutrina, porque os ensinava como tendo autoridade.

A fé se baseia em alcançar uma profunda convicção sobre fatos espirituais. Muitas das verdades das Escrituras são descritas para nos conduzirem à plena convicção, à inusitada CERTEZA das coisas ali descritas. Que as coisas ali descritas são o que são, do jeito que estão descritas e que se agirmos de acordo com o que as Escrituras nos orienta a agirmos, irá ocorrer Tim-Tim por Tim-Tim (exatamente) do jeito que ela nos a disse que ocorreria.

 

A certeza das Escrituras é relacionada com o fato de que um Deus absurdamente real e verdadeiro nos deu um TESTEMUNHO de fatos espirituais.

Essa certeza é fundamentada em realidades e fatos espirituais, no fato de que as coisas são do jeito que Cristo nos narrou, de que a fé opera do jeito que ele nos ensinou. Tudo isso baseado numa coisa muito simples.

É verdade. Tudo que nos está sendo dito é verdadeiro!

Basicamente, Jesus é fiel quando descreve as coisas que diz, ele é autentico e firme nas coisas que afirma, seja lá o que for que estiver afirmando.

Quando Jesus ordenava aos demônios que saíssem de suas vítimas, e que saiam gritando dos atormentados, ele o fazia com tremenda Autoridade, estabelecida em absoluta certeza.

 

Jesus possuía absurda certeza no que pronunciava. Não havia qualquer vestígio de duvida em seu coração, nem sobre a existência de espíritos imundos e nem sobre qualquer possibilidade deles resistirem a uma ordem emitida por ele debaixo do PODER espiritual que lhe enchia, que o envolvia e que o renovava.

Jesus fora separado para isso através de outro ministério, humanamente falando, o de João batista, um profeta.

Um certo dia ele foi até o rio Jordão onde seu primo, cujo nascimento fora também fruto de um milagre, e ao ser batizado neste rio, recebe o poder do Espírito Santo, que desceu sobre ele no instante em que emerge das águas barrentas do Jordão.

E João testemunha para Jesus: – Eu vejo o Espírito Santo descendo sobre você em forma de uma pomba! Então, é por sua causa que venho batizando até agora!

E um pouco depois disso ocorrer, multidões de enfermos eram curados, paralíticos andavam, cegos viam e demônios urravam.

 

Em dado momento, após sua ressurreição, ele fala para os apóstolos “ficai em Jerusalém até que do alto sejais revestidos de poder”. Podemos contar com isso, que aquele o ouviu e creu e foi para Jerusalém e esperou o tal acontecimento: “até que do alto sejais revestidos de poder” recebeu, com absurda precisão, o que lhe foi anunciado.

A fé possui essa chave única para a manifestação do poder que Jesus prometeu para sua Igreja.

E essa fé prometida, esse poder indescritível, se baseia em CERTEZA. Em absoluta certeza. 

Essa certeza que conduz até a fé e ao que vem depois dela é conseqüência de dezenas de verdades espirituais. A fé é real, tão real como é vergonhosa a cena do Edward subir ao monte e ficar brilhando diante de Bella. Tão real quanto a irresponsabilidade dos construtores do Titanic que não colocaram botes-reservas suficientes. Tão real quanto o fato de que a especulação financeira mundial irá empobrecer nações inteiras. Tão real quanto a morte. Tão real quanto o fato de que você existe. A fé é concedida aquele que a busca, é herança irrevogável do que crê, é entregue aos que confiam nas Escrituras, porque quem a prometeu ao homem falou a VERDADE. A fé é um dom assombroso, dom confirmado para aqueles que alimentam a sua certeza nas coisas que Cristo falou. 

É a certeza que opera a fé. E é a fé que conduz ao homem a AUTORIDADE ESPIRITUAL.

AUTORIDADE ESPIRITUAL

Nesse ponto queria focar na questão que deu origem a esse estudo.

A revelação divina só opera algo se for uma revelação verdadeira. E se for baseada na verdade,

 

Existem as falsas revelações. Inventam revelações que nunca foram concedidas e as divulgam. Crime de falsidade ideológica.  Ou ato deliberado em busca de destaque ou honra religiosa. Ou algum plano maligno bem-elaborado, alguém com planos bem definidos em busca de inocentes que creiam em qualquer um que se auto-proclame profeta.

Uma revelação baseada num sonho ou na imaginação nada realiza não conduz a lugar algum.

A Autoridade espiritual que um homem anseia não ocorre a partir de interpretações imperfeitas de verdades espirituais.  A mentira não opera milagres. O engano não produz maravilhas. O erro não conduz ao poder espiritual.

Havia no modo que Jesus falava algo que era anseio de todos os seus apóstolos. Algo pelo qual lutaram como suas metas de vida, que era vivenciar a  AUTORIDADE de Cristo.

 

Jesus falava com tamanha CERTEZA das coisas que ensinava, como se DEUS pessoalmente estivesse presente ali na frente de seus ouvintes. (Na verdade estava) O que eles sentiam era a força e o poder manifesto que os inquietava, que os emocionava, que queimava suas frontes, que fazia arder seus olhos. Força inenarrável que movia seus corações de modo poderosíssimo. Em Cristo havia a insondável CERTEZA de que qualquer homem ou mulher que ousasse confiar e viver segundo a sua palavra, alcançaria e viveria coisas fantásticas e maravilhosas.

Jesus Pregava uma vida excelente, convocava os homens a andar com Deus. Sua leitura das Escrituras abria portas celestiais. Sua interpretação era inigualável, inquestionável, transcendente, conduzindo os que o ouviam a uma profunda convicção.

E também ao maravilhamento.

Jamais esqueceriam o que ouviram da boca de Jesus. E não haveria lugar para uma visão mais verdadeira, mais plena, mais próxima da essência das Escrituras do que aquela que Jesus manifestou.

Sua certeza inabalável impregnava sua voz de inaudita AUTORIDADE ESPIRITUAL. Da AUTORIDADE de alguém que fala com o aval de Deus, a de alguém que fala com a presença de Deus, a de alguém que fala como se DEUS falasse, exatamente como ele gostaria que suas verdades fossem expressas.

A Autoridade Espiritual é fruto de compreender as Escrituras de um modo íntimo, profundo, segundo o coração de Deus.

Quando o que é tratado contém plena correspondência entre o que está escrito com aquilo que habita o coração divino.

Quando acontece uma interação profunda entre a palavra pregada, a palavra escrita e a pensamento divino.

E quando isso acontece algo espetacular é manifesto no mundo visível.  O PODER DIVINO é percebido por muitos, e a palavra pregada gera coisas espirituais, e mesmo físicas, quebra condições malignas pré-existentes, liberta almas e transforma a mente humana!

O pregador do Evangelho só alcança um patamar de Autoridade Espiritual se essas três coisas contribuíram para sua pregação:

a) Revelação 

b) Certeza

c) Verdade.    

Ao que denominamos “revelação” não é um simples processo de releitura do que foi escrito. É fazer viver dentro de nós, no espírito humano, as palavras inspiradas escritas, num nível mais profundo que ocorreria por assimilação, meditação ou por memorização.

Por ser um processo mais profundo que o processo criativo, não há revelação espiritual sem a presença ou a manifestação do próprio Espírito de Deus.

A Escritura não é, nem de longe, um tratado religioso ou filosófico, não é um compêndio sapiencial sobre a vida humana. É uma revelação divina, algo que um dia esteve no coração do Deus antes do inicio dos tempos, ela evoca o som da voz do interior da deidade.

Ela transcende o mundo, ela foi escrita na terra, mas não se origina na terra. Revelar significa descobrir, mostrar algo que estava oculto.

Neste contexto, a grandeza do que estava oculto produz em nós uma resposta emocionada.

A palavra divina possui muitos modos de ser manifesta.  Acontece por intermédio de sonhos, de visões, de revelações, de operações espirituais, de ministrações angelicais.

Deus habita o universo, no qual deixou transcrita a sua revelação. Num sentido mais restrito Deus nos ilumina as palavras ditas pelos profetas para que as compreendamos, para que conheçamos o seu VERDADEIRO significado.

Para que obtenhamos CERTEZA.

Em Atos dos apóstolos vemos uma belíssima cena:

E o anjo do Senhor falou a Filipe, dizendo: Levanta-te, e vai para o lado do sul, ao caminho que desce de Jerusalém para Gaza, que está deserta.

E levantou-se, e foi; e eis que um homem etíope, eunuco, mordomo-mor de Candace, rainha dos etíopes, o qual era superintendente de todos os seus tesouros, e tinha ido a Jerusalém para adoração,

Regressava e, assentado no seu carro, lia o profeta Isaías.

E disse o Espírito a Filipe: Chega-te, e ajunta-te a esse carro.

 

E, correndo Filipe, ouviu que lia o profeta Isaías, e disse: Entendes tu o que lês?

E ele disse: Como poderei entender, se alguém não me ensinar? E rogou a Filipe que subisse e com ele se assentasse.

E o lugar da Escritura que lia era este: Foi levado como a ovelha para o matadouro; e, como está mudo o cordeiro diante do que o tosquia, Assim não abriu a sua boca.

Na sua humilhação foi tirado o seu julgamento; E quem contará a sua geração? Porque a sua vida é tirada da terra.

E, respondendo o eunuco a Filipe, disse: Rogo-te, de quem diz isto o profeta? De si mesmo, ou de algum outro?

Então Filipe, abrindo a sua boca, e começando nesta Escritura, lhe anunciou a Jesus.

E, indo eles caminhando, chegaram ao pé de alguma água, e disse o eunuco: Eis aqui água; que impede que eu seja batizado?

Atos 8:26-36

Um oficial da rainha Candance, rainha da Etiópia lê as Escrituras, mas não as compreende. Algo o incomoda na passagem, sabe que ela contém a revelação de algo misterioso, algo maior, algo transcendente e de grande valor. Felipe, alguém enviado por intermédio de um anjo, encontra-se com o oficial e ao falar sobre a passagem “incendeia” o coração dele de tal modo que ele sente-se iluminado. Torna-se esclarecido. A compreensão da essência do texto, da sua profundidade, de seu real significado, o alcançou de tal maneira que ele creu de modo irrevogável na pessoa sobre quem o texto foi escrito.

O texto falava de um homem que foi levado a morte em silencio como uma ovelha muda. Alguém que ainda jovem foi morto, mas cuja geração não poderia ser QUANTIFICADA.

Alguém que foi levado á humilhação e que perdeu o direito de ser julgado com idoneidade. Tornando-se assim vitima de um julgamento corrompido. E o resultado foi a sua morte. 

Poucos dias antes deste encontro Felipe pregava a uma multidão em Samaria:

E, descendo Filipe à cidade de Samaria lhes pregava a Cristo.

E as multidões unanimemente prestavam atenção ao que Filipe dizia, porque ouviam e viam os sinais que ele fazia;


 

Pois que os espíritos imundos saíam de muitos que os tinham, clamando em alta voz; e muitos paralíticos e coxos eram curados.

Atos 8:5-7

Ele  provava em sua vida o PODER e a AUTORIDADE ESPIRITUAL fruto do evento sobre o qual o texto falava. O texto que o Etíope lê é uma antiga PROFECIA escrita pelo profeta ISAIAS, o qual profetiza o ministério, o julgamento a morte de Cristo, assim como sua ressurreição e o FRUTO que seu tremendo sofrimento produziria. 

O ato de loucura da cruz do calvário é uma das maiores revelações de Deus, uma porta que abre a alma humana ao entendimento de sua Palavra, e o inicio do processo que nos dá acesso a plena Revelação de Deus.

O ministro de Candance lê e não enxerga. Medita e não compreende. Porém, quando Felipe fala o mesmo texto, cheio de AUTORIDADE espiritual, fruto de sua EXPERIENCIA, fruto de sua FÈ, fruto de sua CONVICÇÃO, fruto de sua CERTEZA baseado na VERDADE, na essência das Escrituras, na razão maior e mais sublime, quando ele reafirma diante do ministro o que ele mesmo PROVA todos os dias – o ministro de Candance é TRANSFORMADO.

Talvez aquela pregação não deva ter durado mais do que 30 minutos.

O ministro olha para um rio ao lado da carruagem, enxergando (compreendendo) claramente o que lutara por anos a fio para entender. É tão evidente, é tão clara, é tão luminosa, diante de seus olhos, a revelação divina que esquece a todos os protocolos oficiais. Ele deixa de lado sua própria autoridade, quaisquer vestígios de sua magnificência, de sua grandeza, de sua altíssima posição, compreendendo ser necessário posicionar-se diante da revelação do amor manifestado em Cristo. Tão forte é este sentimento que anseia IMEDIATAMENTE ser batizado nas águas!


 

Não há AUTORIDADE ESPIRITUAL quando não existe correspondência entre aquilo que o Espírito de Deus quer revelar e o que está sendo pregado por alguém.

Muitos advogam para si por intermédio de seus próprios “entendimentos” ou por suas próprias interpretações das Escrituras, seja invocando a autoridade de visões, aplicação de sonhos ou por experiências espirituais, a posição de AUTORIDADE ESPIRITUAL.

Pregam como se aquilo que dizem fossem uma “verdade verdadeira” ou condição imprescindível para viver uma vida espiritual.

Nem sempre o é, não importa quão eloqüente seja o pregador, não importa quão dramático seja sua preleção. Para conceder uma aparência de Autoridade Espiritual alguns pregadores utilizam-se de atos, gestos, vozes, posturas, atitudes, que de nada colaboram ou acrescentam ao que dizem. Deus não é infiel a si mesmo e nem concede sua glória a outrem.  Ele não mente e nem opera seu poder baseado em representações, em atuações e caricaturas teatrais. Ele não concede Autoridade a quem não corresponde intimamente aquilo que ele e somente ele poderia transmitir.

Você já deve ter assistido uma pregação em que o auditório se emocionava e alegrava-se com uma pregação ou estudo bíblico e no meio da mensagem o palestrante das coisas espirituais falou algo impróprio. Uma visão errônea, um esboço de doutrina errada, uma palavra com aparência de piedade, mas completamente destituída de valor espiritual. O efeito é imediato.

A voz do Espírito Santo se mistura a voz humana quando sua Palavra é pregada segundo seu coração. Mas ele se cala quando alguém fala segundo sua ignorância, seus preconceitos, seus próprios conceitos.

 

Jesus afirma que suas ovelhas reconhecem a sua voz. E quando o homem fala sem o aval divino, a Igreja não reconhece a voz de Cristo.  E não há alegria, não há paz, não há edificação, não há vida manifesta. Não há comunhão. Já vi, infelizmente, isso ocorrer dezenas de vezes. Sou testemunha de homens que subiram ao púlpito sem Deus. E que lá permaneceram por muito tempo, sem produzir nenhum beneficio espiritual. Subiram no púlpito sem nenhuma Autoridade Espiritual e desceram de lá do mesmo modo que subiram.

Verdadeiramente Deus está vivo e falando através de seus profetas. Ainda hoje em toda a terra manifesta-se ao homem em visões, concede sonhos, e tremendas e novas revelações sobre as Escrituras. Porém a AUTORIDADE não é fruto da releitura de uma visão, ou mesmo de antigas revelações. Palavras ditas por anjos não produzem AUTORIDADE, elas só manifestam revelações. A revelação sozinha é a abelha sem a colméia. Só há PODER e AUTORIDADE se o que for falado a alguém for segundo a VONTADE de Deus (revelação), provocando a manifestação da fé (certeza), completa e absolutamente correspondendo aquilo que o Espírito Santo possui em seu coração (verdade).

a) Revelação 

b) Certeza

c) Verdade.   

Não basta falar que alguém será curado por que você imagina que assim será. Deus a quem você conhece, através de meios que você já experimentou em seu ministério (dons) tem que ter confirmado tal coisa (revelação) e gerado absoluta certeza de que ele falou que fará (certeza) produzindo a condição plena (verdade) para a operação espiritual.

A declaração de fé não realiza a operação milagrosa (- Surdos irão ouvir, cegos irão ver. Coxos irão andar nessa noite!!! Aleluia!!!). A declaração de fé só opera um sinal ou maravilha se anteriormente houver uma revelação genuína, de tal modo que haja absoluta certeza no coração do ministro do evangelho que estiver a frente de uma congregação, para realizá-la:

E o anjo do Senhor falou a Filipe, dizendo: Levanta-te, e vai para o lado do sul, ao caminho que desce de Jerusalém para Gaza, que está deserta.

Felipe ouviu uma revelação e obedeceu, não saberia o que fazer sem que tal orientação houvesse sido dada.  E ao realizar o que lhe foi dito, gerou um fruto (a conversão do ministro de Candance).

.

Uma DOUTRINA das ESCRITURAS só produz EFEITO ESPIRITUAL se houver uma EXPERIENCIA por parte dos ministros. Se não há CERTEZA, não há AUTORIDADE, se não há AUTORIDADE, não se gera fé. Milhares PREGAM o que ouviram, sem tê-lo provado. Nada acontece. Porque não possuem fé para tal. Não possuem CERTEZA, porque não PROVARAM em suas vidas a tal realidade espiritual. 

Existe um PROCESSO de crescimento espiritual fruto de um FORTALECIMENTO, as ESCRITURAS GERAM CERTEZA, ou certezas em diversas áreas espirituais e na medida em que tal coisa acontece no espírito humano,  ele AVANÇA.

Há uma figura sobre essa verdade em Deuteronômio

Deuteronômio 8:1 Tenham o cuidado de obedecer a toda a lei que eu hoje lhes ordeno, para que vocês vivam, multipliquem-se e tomem posse da terra que o Senhor prometeu, com juramento, aos seus antepassados.    

E também no Novo Testamento:

II Tessalonicenses 2:14   Ele os chamou para isso por meio de nosso evangelho, a fim de tomarem posse da glória de nosso Senhor Jesus Cristo.    

I Timóteo 6:12         Combata o bom combate da fé. Tome posse da vida eterna, para a qual você foi chamado e fez a boa confissão na presença de muitas testemunhas.    

Hebreus 6:18          para que, por meio de duas coisas imutáveis nas quais é impossível que Deus minta, sejamos firmemente encorajados, nós, que nos refugiamos nele para tomar posse da esperança a nós proposta

A revelação nos foi dada para que creiamos. Não sabíamos que essa ou aquela realidade espiritual existia antes disso. Uma vez ILUMINADOS vemos também o que é por DIREITO nosso através de CRISTO.  Uma das grandes coisas sobre as coisas invisíveis é que somos donos de coisas que sequer sabíamos que existiam. Cristo não é somente uma janela aberta para a eternidade. Ele é uma PORTA. Por meio dele temos ACESSO a recursos maravilhosos. Por isso Paulo cantava:

3 Ó profundidade das riquezas, tanto da sabedoria, como da ciência de Deus! Quão insondáveis são os seus juízos, e quão inescrutáveis os seus caminhos

Uma vez que nossa fé é fortalecida, ou gerada, o direito especifico passa a ser EXERCIDO pelo nosso coração CONTINUAMENTE. Quando isso acontece nós TOMAMOS POSSE DA PROMESSA. Alcançamos na nossa caminhada espiritual um lugar novo no que diz respeito às coisas do Reino. Esse novo patamar era figurado na posse dos Israelitas da terra prometida. Deus lhes promete uma vasta extensão de terra e lhes declara ser sua propriedade antes que eles nela habitassem. Bem antes, diga-se de passagem. Quatrocentos e trinta anos antes de Israel SAIR do EGITO Deus promete a Abraão que lhe dará uma terra a sua DESCENDENCIA. Sequer haviam entrado nela e Moisés a contempla do alto de uma montanha. Uma promessa. A terra é real, mas levará CINCO anos de tremendas batalhas até que a ultima tribo israelita se estabeleça finalmente nela, pelo comando de Josué.  A fabulosa e amada terra prometida, a terra de Canaã é um símbolo eloqüente das questões relacionadas a fé e ao reino de Deus.

Reunindo os três últimos textos citados:

“A fim de tomarem posse da glória de nosso Senhor Jesus Cristo,    

posse da vida eterna, para a qual você foi chamado, para tomar posse da esperança a nós proposta”

A perfeição das Escrituras nos permite fazer essa coisa fantástica. Três autores, tempos e destinatários diferentes. Mas o mesmo Espírito as inspirou.  Há uma progressão, os textos se complementam.

Tomar posse da glória, da vida eterna, da esperança.

Significa que possuímos coisas que necessitamos usufruir, exercitar, dominar. Exercer. A fé se estabelece na CERTEZA de coisas que se esperam. Só sabemos o que havemos de esperar, ou pra descomplicar, só ESPERAMOS o que temos conhecimento. Você aguarda a visita que se comprometeu, ao bolo que está ficando pronto, ao filme ter inicio.  Nós aguardamos o que conhecemos de antemão, o que experimentamos, o que participamos. O que SABEMOS. 

A AUTORIDADE é fruto do que SABEMOS. Do que CONHECEMOS em CRISTO. Do que APRENDEMOS nele.

Porque a CERTEZA em CRISTO produz a AUTORIDADE de CRISTO.

Em nós. Para a partir daí, edificarmos a muitos.

To make you know the certainty of the words of truth, and so you may answer words of truth to them that you consult? Proverbs 22:21

We desire that every one of you show the same diligence unto the end, to full assurance of hope; Hebrews 6:11

That you may know the certainty of the things that thou hast been instructed. Luke 1:4

Now faith is the substance of things hoped for, the evidence of things not seen. Hebrews 11:1

And they had the authority to heal sicknesses and to cast out demons: Mark 3:15

And they were astonished at his teaching, for he taught them as one having authority, and not as the scribes. Mark 1:22

And they were all amazed, insomuch that they questioned among themselves, saying, What is this? What new doctrine is this? For with authority commandeth the unclean spirits, and they obey him! Mark 1:27

And the multitudes saw it, they marveled, and glorified God, who had given such authority to men. Matthew 9:8

Above all principality, and power, and might, and dominion, and every name that is named, not only in this age but also in that to come; Ephesians 1:21

Many who listen a Bible study for the first time are a bit confused about what is happening. What, after all, the preachers are doing with that bunch of phrases, apparently chosen at random within the various books that make up the Scriptures, the citation of various references and mysterious, and they intend to do with it all?

 
Insofar as we hear a sermon, if all goes well, we will see the pieces of the puzzle of interpretation being placed in their proper places and meditation will unite these texts chosen on a particular viewpoint, and will unfold before our eyes perplexed, a new theme, a spiritual lesson coherent, that somehow magical, such united the texts read.

There are obviously several schools of biblical interpretation, as well as various means of developing biblical subjects through diverse studies, in which (usually) different subjects will be addressed in a systematic way, so historical, chronological order, etc..

But … anyway, What is that which allows us to draw many lessons, coherent, so many different books? Scripture is the name we give the collection of 66 books, 39 of 27 Old and New Testament, written in a period spanning some 2000 years. And what is the significance of choosing a text of this compendium, extract a verse and from this state a spiritual law? As each phrase of Scripture contained a truth, and that truth contained a spiritual application that spans beyond human life, to the angels? And if even that, after all who measures quality of Scripture is simply called Jesus Christ, then, as it is, which validates this use of biblical texts, like Paul, John and even Jesus did?

The division of the Old Testament into verses was established by Jewish scholars of the Holy Scriptures, called Masoretes. With monastic and ascetic habits, the Masoretes dedicated their lives to the recitation and copying of the Scriptures as well as the formulation of Hebrew grammar teaching techniques and teaching of the biblical text. It was they who, between the ninth and tenth centuries, first divided the Hebrew (Old Testament) verses. Influenced by the work of the Masoretes in the Old Testament, a printer Frenchman named Robert d’Etienne, divided the New Testament into verses in the year 1551. D’Etienne then lived in Genoa, Italy.

It is important to understand that many phrases or original portions were divided into two or more sentences. For example, in Salmo 88:

51 Consider, Lord, the shame imposed on your servers. I carry in my bosom outrages of the heathen nations,

52 insults your enemies, Lord, injuries that throw up the steps of him that is holy.

Note that we write up a prayer divided into smaller chunks, in two verses. I need to read at least two verses, which includes a section (two or more lines), to keep the complete original thought.

Another example, in Romans chapter 11:

3 O the depth of the riches both of the wisdom and knowledge of God! How unsearchable are his judgments and how inscrutable his ways!

34 For whoever has known the mind of the Lord? or who hath been his counselor?

35 Or who hath first given to him, that God should repay him?

36 For from him and through him and to him are all things, be the glory to him forever. Amen

This portion of Scripture is a song! It’s a song, or a prayer of praise. I read it like this:

O the depth of the riches both of the wisdom and knowledge of God! How unsearchable are his judgments and how inscrutable his ways! Why hath known the mind of the Lord? or who hath been his counselor? Or who hath first given to him, that God should repay him? From him and through him and to him are all things, be the glory to him forever. Amen

Although he could meditate in one of his prayers, even develop a whole lecture in praise of this piece, finding things deep in a single verse.

This part of the review is to remember that the division into verses of Scripture is a teaching tool, an aid to memorization, consultation, selection, to the search for a particular passage. However this does not include any such division rule for the interpretation thereof.

Nor are we the interpreters, allowed to develop any doctrines based on verses.

Returning to the main subject, which gives, this characteristic of the Scriptures we can read them in passages and verses, comprehensive spiritual laws? Laws that define life, the time, the world, human relationships, spiritual truths, operations divine eternity, and so many other issues?

And how preachers sighted such realities or spiritual truths contained in the Scriptures?

The hymn of Paul clarifies that put part of this mystery.

DEPTH

He marvels at the DEPTH of Scripture. The Scriptures have a dimension of spiritual depth unmatched, purposeful, scattered in his writings, including possessing divine inspiration and truths that are larger than those that the authors could envision. Many prophets speak of things they do not understand, they describe things whose meaning is hidden.

WISDOM

Part of what is read in the Old or New Testament understand divine revelations which contains in itself the Wisdom of God.

RICHES

This tremendous wisdom is an inexhaustible source of spiritual RICHES. As we meditate on the Scriptures, either in chapters, sections, verses, we encounter this condition that permeates the pages of the whole Bible, a revelation that comprehensively covers the MIND of God! It is this mind that many thoughts are fully described in the Scriptures.

SCIENCE

The Scriptures are the work of the Spirit of God and reveal some of its SCIENCE, or your KNOWLEDGE. And contains many of the key mysteries of human life and spiritual life. I’m being restrained in saying only: “many mysteries.”

ORIGINALITY

As proof of AUTHENTICITY, TRUTH authored the veracity of the source, God translates into their SCIENCE realities that only are questioned or shown in Scripture. No other book, written by persons (I, you, we, they), goes so far and neither is as unique in addressing certain issues of life. Neither could be. Because we humans are shrouded in spiritual darkness, are moles on things related what is invisible.

I meditate … If it were visible the invisible, perhaps we understood better the mysteries of life … But God gives us a vision of what we could not know, not at all! And beyond that originality, have a dimension granted through and only through the Scriptures. The dimension of faith.

Based on what was said at this depth, Wisdom, and Wealth in the Knowledge, manifest by the scriptures, we can begin to understand how small portions have the same meanings as deep or magnificent. We can now perform a practical exercise on it. I’ll add a few texts from the beginning of the study and meditate on what it means:

SPIRITUAL AUTHORITY.

In a didactic way, translate the Scriptures, for those who believe, rules, laws, axioms or spiritual principles that will group in this study in four peculiarities:

a) Revelation

b) Certainty

c) Truth.

d) AUTHORITY

Does not mean that the texts have only four or seven or 243 features … but I will emphasize those four.

Proverbs cites certainty of the words of truth. Lucas cites sure the things that thou hast been instructed. The book of Hebrews mentions that faith is the assurance of things hoped for. And when we read of Christ we find: And they were astonished at his teaching, for he taught them as one having authority.

Faith is based on achieving a deep conviction about the spiritual facts. Many of the truths of Scripture are described to lead us to the full conviction of the unusual things SURE described therein. Things described there are what they are, as they are described and that if we act according to what Scripture tells us to act, will occur Tim-Tim by Tim-Tim (exactly) the way she told us would occur.

The certainty of Scripture is related to the fact that an absurdly real and true God gave us a TESTIMONY of spiritual facts.

This certainty is based on spiritual realities and facts, the fact that things are the way they narrated in Christ, that faith works the way he taught us. All this based on a very simple thing.

 

It is true. Anything that is being said is true!

Basically, Jesus is faithful when he describes what he says, he is authentic and firm on the things that says, whatever it is he is saying.

When Jesus commanded the demons to leave their victims, and leaving the tormented screaming, he did so with tremendous authority, established with absolute certainty.

Jesus possessed absurd certainty as pronounced. There was no trace of doubt in his heart, not about the existence of evil spirits, nor about any possibility of them resist an order issued by him under the POWER spirit that filled that enveloped him and that renewed.

Jesus was set apart for this through another ministry, humanly speaking, of John the Baptist, a prophet.

One day he went to the River Jordan where his cousin, whose birth was also a result of a miracle, and this river to be baptized, receive the Holy Spirit, which descended on him the instant he emerges from the muddy waters of the Jordan .

And John testifies to Jesus – I see the Holy Spirit descending on you in the form of a dove! So, is the reason I come baptizing until now!

And a little after that occurs, multitudes of sick were healed, the lame walked, the blind saw and demons howled.

At one point, after his resurrection, he talks to the apostles “tarry in Jerusalem until ye be endued with the high power.” We can count on it that he heard and believed and went to Jerusalem and waited for such an event: “Until the high clothed with power” received with absurd precision, which it was announced.

Faith has this unique key for the manifestation of the power that Jesus promised to his Church.

And this faith promised, this indescribable power, based on certainty. In absolute certainty.

This certainty that leads to faith and what comes after it is the result of dozens of spiritual truths. Faith is real, as real as it is shameful scene Edward ascend the hill and stay shining before Bella. As real as the irresponsibility of the builders of the Titanic that did not put enough lifeboats-reserves. As real as the fact that the global financial speculation will impoverish entire nations. As real as death. As real as the fact that you exist.Faith is given one who seeks it, is irrevocable heritage of the believer, is delivered to those who trust in the Scriptures, because who promised to the man spoke the TRUTH. Faith is an amazing gift, a gift confirmed for those who feed their certainty in things that Christ spoke.

It sure works faith. And it is the faith that leads to the man SPIRITUAL AUTHORITY.

SPIRITUAL AUTHORITY

At this point I wanted to focus on the issue that gave rise to this study.

Divine revelation only operates something if it is a true revelation. And if it is based on truth,

There are false revelations. There are invented revelations that were never granted for God. It is crime of perjury. Or deliberate seeking of prominence or of honor religious. Or some evil plan well-prepared, well-defined plans with someone in search of innocent believe that anyone who self-proclaim prophet.

A revelation based on a dream or imagination anything without GOD done does not lead anywhere.


 

The Spiritual authority that a man longs not occur from faulty interpretations of spiritual truths. The lie does not work miracles. The deception does not produce wonders. The error does not lead to spiritual power.

There was in the way Jesus spoke something that was yearning for all his apostles. Something for which they fought as life goals, which was experiencing the AUTHORITY of Christ.

Jesus spoke with such SURE the things he taught, as if God was personally present there in front of your listeners. (Actually was) What they felt was the strength and power manifest that worried, that thrilled, burning their foreheads, that stung his eyes. Unspeakable force that moved their hearts so very powerful. In Christ there was the unfathomable SURE that any man or woman who dared to trust and live according to his word, reach and live wonderful and fantastical things.

Jesus preached an excellent living, summoned the men to walk with God. Because his reading of Scripture the heavenly gates are opened. His interpretation was unrivaled, unquestioned, transcendent, leading his listeners to a deep conviction.

And also to wonder.

They never forget what they heard from the mouth of Jesus. And there would be no place for a truer view, fuller, closer to the essence of Scripture than that which Jesus manifested.

His unwavering certainty permeated her voice unheard SPIRITUAL AUTHORITY. The AUTHORITY of someone who speaks with the approval of God, someone who speaks with the presence of God, someone who speaks as if God spoke exactly as he would like his truths were expressed.
 
The Spiritual Authority is the result of understanding the Scriptures in a intimate, deep, according to the heart of God.

When it is treated contains full correspondence between what is written with what dwells the divine heart.

When there is an interaction between the deep spoken word, the written word and divine thought.

And when it does something spectacular is manifest in the visible world. The DIVINE POWER is perceived by many, and the preached word generates spiritual, and even physical break pre-existing malignancies, frees souls and transforms the human mind!

The preacher of the Gospel only reaches a level of Spiritual Authority if these three things contributed to his preaching:

 

a) Revelation

b) Certainty

c) Truth.

When we call “revelation” is not a simple process of rereading what was written. The inspired words need live in us, in the human spirit, the inspired words written on a deeper level that would occur by assimilation, meditation or memorization.

For a process to be deeper than the creative process, there is no spiritual revelation without the presence or manifestation of the Spirit of God.

The Scripture is not even remotely a religious or philosophical treatise, is not a compendium wisdom about human life. It is a divine revelation, something that was once the heart of God before the beginning of time, it evokes the sound of the voice from inside the deity.

It transcends the world, it was written in the earth, but does not originate on Earth. Reveal means discovering, show something that was hidden.

In this context, the magnitude of which was hidden produces in us an emotional response.

The word of God has many ways of being manifested. Happens through dreams, visions, revelations of spiritual operations of angelic ministrations.

God inhabits the universe, in which transcribed left his revelation. In a narrower sense God illuminates the words spoken by the prophets that we might understand, that we may know their true meaning.
 

For SURE we get.

In Acts of the Apostles we see a beautiful scene:

And the angel of the Lord spoke to Philip, saying, Arise, and go toward the south unto the way that goeth down from Jerusalem unto Gaza, which is desert.

And he arose, and went: and, behold, a man of Ethiopia, an eunuch chief of Candace, queen of the Ethiopians, who had the charge of all her treasure, and had come to Jerusalem to worship,

He was returning and sitting in his chariot read Esaias the prophet.

And the Spirit said to Philip, Go near, and join yourself to this chariot.

And Philip ran thither, heard him reading the prophet Isaiah, and said, Do you understand what you read?

And he said, How can I, unless someone guides me? And he invited Philip to come up and sit with him.

 
The place of the scripture which he read was this, He was led as a sheep to the slaughter, and like a lamb dumb before his shearer, so opened he not his mouth.

In his humiliation his judgment was taken away: and who shall declare his generation? For his life is taken from the earth.

And the eunuch answered Philip, and said, I pray thee, of whom speaketh the prophet this? Of himself, or of some other?

Then Philip opened his mouth, and beginning from this Scripture, preached unto him Jesus.

And they were walking along, they came unto a certain water: and the eunuch said, here is water what doth hinder me to be baptized?

Acts 8:26-36

An officer of Queen Candace, queen of Ethiopia reads the Scriptures, but does not understand. Something bothers you in passing, you know it contains the revelation of something mysterious, something bigger, something transcendent and great value. Felipe, one sent by an angel, is the official and talk about the passage “fires” his heart so that he feels enlightened. Becomes clear. The understanding of the essence of the text, its depth, its actual meaning, reached him so that he believed irrevocably in person about whom the text was written.



 

He read about a man who was put to death in silence like a dumb sheep. Someone who was killed while still young, but whose generation could not be quantified.

Someone who was brought humiliation and will lose the right to be judged on merit. Thus becoming the victim of a corrupt judgment. And the result was his death.

A few days before this meeting Philip preached to a crowd in Samaria:

Philip went down to the city of Samaria and preached Christ to them.

And the people with one accord gave heed unto those things which Philip spake, hearing and seeing the miracles which he did;

For unclean spirits came out of many that were possessed, crying with a loud voice, and many paralyzed and lame were healed.

Acts 8:5-7

He proved in his life SPIRITUAL POWER and AUTHORITY result of the event upon which the text spoke. The text reads that the Ethiopian is an ancient Prophecy written by the prophet ISAIAH, which prophesies the ministry, the trial death of Christ, and his resurrection and his tremendous suffering FRUIT produce.

The act of folly of the cross of Calvary is one of the greatest revelations of God, a door that opens the human soul to the understanding of His Word, and the beginning of the process that gives us access to the full revelation of God.

The minister of Candace reads and does not see. Meditates and does not understand. However, when Felipe speaks the same text, full AUTHORITY spiritual fruit of his EXPERIENCE, fruit of your FAITH, fruit of his CONVICTION, product of SURE based on TRUTH, the essence of the Scriptures, the greater and more sublime reason, when he reaffirms before the minister what he PROOF everyday – Minister Candance is TRANSFORMED.

Maybe that preaching should not have lasted more than 30 minutes.

The minister looks at a river beside the carriage, seeing (understanding) clearly had struggled for years to understand. It is so obvious, so clear, so light is, before your eyes, the divine revelation that forgets all official protocols. He sets aside his own authority, any traces of its magnificence, its greatness, its highest position, comprising be necessary to position themselves before the revelation of the love manifested in Christ. So strong is this feeling that yearns to be baptized in water IMMEDIATELY!

There is not SPIRITUAL AUTHORITY when there is no correspondence between what the Spirit of God wants to reveal and what is being preached by someone.

Many advocate for themselves through their own “understandings” or their own interpretations of Scripture, either by invoking the authority of visions, dreams or application of spiritual experiences, the position SPIRITUAL AUTHORITY.

Preach what they say as if they were a “real truth” or condition for living a spiritual life.

Not always is, no matter how eloquent the preacher is, no matter how dramatic is his lecture. To give an appearance of Spiritual Authority some preachers make use of acts, gestures, voices, postures, attitudes, who collaborate or add anything to what they say. God is not unfaithful to himself and does not give his glory to another. He does not mind and even operates its power based on representations in cartoons and theatrical performances. He does not grant authority to those who do not closely match what he and he alone could convey.

You must have already attended a sermon in which the audience was thrilled and rejoiced with a sermon or Bible study and in the middle of the message the speaker of spiritual things said something inappropriate. An erroneous view, an outline of wrong doctrine, a word with a form of godliness, but completely devoid of spiritual value. The effect is immediate.

The Holy Spirit’s voice mingles human voice when His Word is preached according to his heart. But he is silent when someone speaks according to his ignorance, his prejudices, his own concepts.

Jesus says that His sheep know his voice. And when the man speaks without approval divine, the Church does not recognize the voice of Christ. And there is no joy, no peace, no building, no manifest life. There is no communion. I have seen, unfortunately, this happens dozens of times. I am a witness of men who rose to the pulpit without God. And they remained there for a long time without producing any spiritual benefit. Rose in the pulpit without any Spiritual Authority and down there in the same way that went.

Truly God is alive and speaking through his prophets. Even today all over the earth to man manifests in visions, dreams grants, and tremendous and new revelations about the Scriptures. But the AUTHORITY is not the result of the reading of a vision, or even ancient revelations. Words spoken by angels not produce AUTHORITY, they only manifest revelations. The revelation is a bee alone without her hive. There is only POWER and AUTHORITY if what is spoken to someone is under the WILL of God (revelation), causing the manifestation of faith (sure), completely and absolutely representing what the Holy Spirit has in his heart (truth).

 

a) Revelation

b) Certainty

c) Truth.

Do not just talk someone be cured by what you imagine it will. God whom you know, through means that you have ever experienced in his ministry (gifts) have confirmed that such a thing (revelation) and generated absolutely sure that he said he will (certainly) yielding the full condition (true) for spiritual operation.

The statement of faith does not perform the miraculous operation (- deaf will hear, the blind will see. Coxos will walk tonight!! Hallelujah!). Statement of faith operates only a sign or wonder if there is a genuine revelation earlier, so that there is absolute certainty, the minister of the gospel which is the front of a congregation, to do it:

And the angel of the Lord spoke to Philip, saying, Arise, and go toward the south unto the way that goeth down from Jerusalem unto Gaza, which is desert.

Philip heard a revelation and obeyed, would not know what to do without such guidance had been given. And to accomplish what he was told, generated a fruit (the conversion of the minister of Candace).

.

A Doctrine of Scripture only produces EFFECT if there is a SPIRITUAL EXPERIENCE from the ministers. If there is SURE there AUTHORITY, AUTHORITY if there is, it does not generate faith. Thousands PREACH what they heard, without having it tested. Nothing happens. Why not have faith to do so. Lack SURE, why not PROVEN in their lives to such spiritual reality.

There is a PROCESS of spiritual fruit of a STRENGTHENING the SCRIPTURE GENERATE SURE, or spiritual certainties in various areas and to the extent that such a thing happens in the human spirit, he ADVANCE.

There is a picture on this truth in Deuteronomy

Deuteronomy 8:1 Be careful to obey all the law which I command you, that ye may live, multiply and take possession of the land that the LORD promised on oath to their ancestors.

And in the New Testament:

II Thessalonians 2:14 He called you to this through our gospel, to take possession of the glory of our Lord Jesus Christ.

I Timothy 6:12 Fight the good fight of faith. Take hold of the eternal life to which you were called and made the good confession in the presence of many witnesses.

Hebrews 6:18 so that, by two unchangeable things in which it is impossible for God to lie, we are strongly encouraged, we who take refuge in him to take hold of the hope we proposed

The revelation was given to us to believe. We did not know this or that spiritual reality existed before that. Once ILLUMINATED see also what is RIGHT for our through Christ. One of the great things about the invisible things is that we own things even knew existed. Christ is not only a window into eternity. It is a door. Through him we have ACCESS to wonderful resources. So Paul sang:

3 O the depth of the riches both of the wisdom and knowledge of God! How unsearchable are his judgments and how inscrutable his ways

Since our faith is strengthened, or generated, the specific duty shall be EXERCISED our heart CONTINUOUSLY. When this happens WE TAKE POSSESSION OF PROMISE. Achieved in our spiritual walk somewhere new with regard to the things of the Kingdom. This new level was figured in the possession of the Israelites to the promised land. God promises them a vast expanse of land and declares them to be their property before they dwell therein. Well first, let it be said in passing. Four hundred and thirty years before Israel EXIT EGYPT God promises Abraham that will give the land to his descendants. Had even entered it and Moses contemplates the top of a mountain. A promise. The earth is real, but it will take FIVE years of tremendous battles until the last Israelite tribe was finally set it at the command of Joshua. The fabulous and beloved promised land, the land of Canaan is an eloquent symbol of the issues related to faith and the kingdom of God.

Gathering the last three texts cited:


 

“In order to take possession of the glory of our Lord Jesus Christ,

possession of the eternal life to which you were called, to take hold of the hope we proposed “

The perfection of Scripture allows us to make this thing awesome. Three authors, times and different recipients. But the same Spirit inspired them. There is a progression, the texts are complementary.

Take possession of the glory of eternal life, of hope.

Means that only possess indeed spiritual realities we exercise, Realities dominated. We need to try them.
Faith settles into CERTAINTY of things hoped for.

Only HOPE things that know.


 

You awaits the visit who undertook previously
You expect the cake is getting ready
You expect the movie will start soon.

We await what we know beforehand when we have experienced, it somehow participate.
We hope what we KNOW.

AUTHORITY is the result of what we KNOW. Than in KNOW CHRIST. What LEARN it.

Because SURE in Christ produces the AUTHORITY of Christ.

In us. For Thereafter, edify many people.


Welington José Ferreira

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: