E houve Luz


Gn: 1:1: No princípio criou Deus os céus e a terra.



Difficult is to stop playing … when you can fly.

Normally we angels smile a lot.
Perhaps because the invisible heavens are a place of joy and peace ineffable.
Or the fact that joy is intoxicating for us to fly.
We performed the impossible.






But what is this – the impossible?
Did not exist before the darkness, in the land where light has always existed.
We called wings of the things that enabled him to rise up the colors of the vastness of our house.
Told us the Lord, in large wheels when the cost could silence us …
because when we flew there, screamed …!
Impressive is rejoice before his glory …
But his gentle gestures, which shone every wave of his mighty hand, made us calm.
When the dimensions were created, each spin in which we climbed,
… was as the distances between cities in which men would inhabit in the world to come.


In parties chants of immense lawns,
always between the twin hills (one of the only places where all of us … together .. we could sit …)

We sang prophecies.
We sang what was to come the expansion of life dream, another place, a place of land and garden, where the worlds would be suspended until the time appointed by God’s hand.
Something different from the wonders we knew before.
  Again, his hand tremendous … high and resplendent, leading us to be still.
His voice …
… Hear the sound of your voice … was larger than life!

Was living in something great.

Open your eyes, realize, understand and feel.
Be partaker of his immortality and be permeated with the torrents of his power, how to explain it?

However, I heard it when his voice rose beyond the heights of the swirling waters thundered endless,
whose origin was the thone (we called him so, throne),
this …
was …
incomparable.

When time began, going slowly when He began to speak to us.
And we asks about the wings.
The Single talked to us about the birds that would populate the skies of land that would create.
And he said that they would like our wings …
And we laughed …

He spoke in the deserts and camels
Trees, whose tops would rise to the heights of the blue expanse.

He spoke in water, an amount so large that it would inhabit gigantic beings.

And silver stripes that would erupt on ace waters, which would move in large quantities, as noisy when mountains suffered landslides snow.


Men would call the silvered rays and the breaking of the bands with which we used to play, to thunder.

– Tell us about men!

And the Lord told us.
And his eyes sparkled.
The mens will be slightly smaller than us, beloved as we

Until the day of transformation happen.
So would be made like us.

And again the confusion was created …
Rising like incense was the whirlwind, every pluck the strings of the heart divine, celestial structures that made tremble.
And we rejoiced because one of the days for which we were born was reached …

The Principle of all things that would be visible in the sight of yet uncreated man, in whom incomprehensible hope would be deposited.

Would be seven times the heavens were silent altogether.

This was the first time.

The Lord asked quietly. He lifted up his abode.
Along with him went the five cherubim.

We looked.

The Lord said:

What are you waiting for? Come!

The silence was broken by the billions that rose to his presence.

So first we silence
(I remember well in the crowd, perhaps the last)
went with the Lord to the particular place.

We witness the birth of all things, when he called to him out of nowhere, everything that existed.
Perfect as his face.

So … Do not become silent … Again.
Not to lose the habit …

We, angels, when din, we are the noisiest thing that creation has.


Gen: 1:2: And the earth was without form and void, and darkness was upon the face of the deep: and the Spirit of God moved upon the face of the waters.


Soon after the cataclysm

It was the second time we were silent from the beginning.

This time we do not approach.

Because it can all seem so little?

What is beyond peace and harmony and the unlimited power that matters, if there is reason in that creates?

Why choose the pain instead of life, to love bitterness, darkness reigns where the light?
Knowledge is not wisdom. Wisdom without love enriches its possessor.

God has infinite wisdom. Has knowledge unimaginable.

And knows that knowledge is not the best or the greatest gift. Sometimes only a burden.

Only a burden.

Ceased by the loss of brothers. Friends. Beings of immeasurable greatness.
There would be no dance like that happened in those days of yore.
The harmony was broken.

Some things that existed before the days of pain began to make sense.

Always wondered why the veil in the small tent in which we entered, where there were those little cherubs made of gold …

Why had the veil, if we saw perfectly through all curtained?

And different from the things he had in heaven, those things were done that?

That was one set of tiny things, whose structure contemplated …
The small grains … and the forces that walked and ordered that supported small grains …

one day the men would call these things of atoms …
Who were near empty and as far as gold …

The darkness stretched over the horizon expansion created.
When the celestial cataclysm finished, we wondered why he did not stop at all.
His are the strings that tie the fabric of existence.
Are your powers supporters of all things.
What happened defied the strings and cut the columns firmed according to their wisdom.
One in which dwells no darkness, now in Spirit, walked on its creation victim of hate.

The heart walked over darkness.

the powers were shaken.
A created being decided against the decision.
A creation allowed himself to love darkness rather than light.
to love the chaos more than life.
Refused the purpose of eternity and refused life as a profession.
Who believed that power should dominate.
One who thought the force was destroyed.
That the eternal should cease.
God was not worthy of the immeasurable power that dwelt therein.

This is preferred to himself before all things.

Who could measure his power on the day he gone mad?
A whole universe lay over a premeditated destruction.
Destruction that was only contained by an even greater power.

However, if for a moment the seed of life that God scattered among the celestials, was resumed,
for a moment in his will there was a shadow, one not, one reaches a sufficient …

What would be the bastard … and we all …

We understood that in some way, like a burden to your heart.
So we remain silent when His Spirit hovered over the face of the deep.

We could see it. Only we could see his spirit.

Do not burn it in our hearts?
Yes Stronger than all.

It burned.
It burned.

Then the Lord came, he and four cherubim.

His Spirit involved all the cherubim and the Lord.
And the silver stripes appeared on our crowd.. The Lord stood over the face of the deep. Knew what he would do.
He raised his hands up.

Glowed the hands of God.
The Cherubim is burning.
Glowed the cherubim.
And our hearts  burning.
And the shapeless mass moved …
The cords parties
were all recreated …
and the Lord looked at us. And smiled.


Was still raised his hand, his voice bristled when all dimensions and was heard even in his heavenly sanctuary:

– Let there be light

And she shone.

Dificil é parar de brincar…quando se pode voar. 
Normalmente nós anjos sorrimos demais. 
Talvez porque os céus invisíveis sejam um lugar de gozo e paz inefáveis. 
Ou pelo fato de que a alegria é embriagadora para nós que voamos. 
Nós realizavamos o impossível. 






Mas, o que será isso – o impossível? 
Não existiam antes as trevas,  na terra onde sempre existiu luz.  
Chamámos de asas as coisas que nos elevavam por entre as cores da vastidão da nossa casa. 
Contáva-nos o Senhor, em grandes rodas, quando conseguia a custo nos silenciar… 
pois quando não voávamos, gritávamos…!
Impressionante é alegrar-nos diante de sua glória… 
Mas seus gestos meigos,  que resplandeciam a cada aceno da sua poderosa mão, nos faziam acalmar. 
Quando as dimensões foram criadas, cada rodopio no qual subíamos,  
…  eram como as grandiosas distancias entre as cidades nas quais habitariam os homens do mundo vindouro.


Nas festas de cânticos dos gramados imensos,
sempre entre os montes gêmeos (um dos únicos lugares onde todos nós… juntos, .. podíamos assentar…) 

Cantávamos profecias. 
Cantávamos que estava para chegar a expansão da vida sonhada, o outro lugar, lugar da terra e do jardim, onde os mundos ficariam suspensos até o tempo determinado, através da mão de Deus. 
Algo diferente das maravilhas que conhecíamos até então.
  Novamente,  sua mão tremenda… erguida e resplandecente, nos conduzia a nos aquietar.
Sua voz…
… Ouvir o som de sua voz…era maior que a vida!

Viver nos era  algo grandioso. 

Abrir os olhos, perceber,  entender e sentir. 
Ser participante de sua imortalidade e sermos permeado das torrentes do seu poder, como poder explicá-lo?

Contudo,  ouvi-lo,  quando sua voz se elevava além das alturas das águas que estrondavam no turbilhão infindável,
cuja origem era seu trono (nós o chamávamos assim, trono),
isso…
era…
incomparável.

Ainda não existia o mover do tempo e mesmo quando se iniciou, passava muito lentamente… quando Ele começava a nos falar.
E perguntávamos sobre as asas.
O Único nos falava sobre as aves que povoariam os céus da terra que criaria.
E dizia que teriam asas como as nossas…
E nós ríamos…

Ele nos falava dos desertos e dos camelos
Das árvores, cujas imensas copas se elevariam às alturas da expansão azul.

Ele nos falava de águas, numa quantidade tão grande que nela habitariam seres gigantescos.

E haveriam faixas prateadas que irromperiam sobre ás águas, que se moveriam em grande quantidade, barulhentas como montanhas que sofriam avalanches.


Os homens chamariam raios às faixas prateadas e ao romper das faixas, com as quais nós costumávamos brincar, de trovões.

– Fala-nos sobre os homens!

E o Senhor nos contava. 
E seus olhos faiscavam. 
Os homens seriam pouco menor que nós, porém tão amados quanto nós. 

Até que o dia da transformação acontecesse. 
Então seriam feitos semelhantes a nós.

E outra vez a confusão estava criada…
Ascendendo como incenso ia o turbilhão, a cada tanger das cordas do coração divino,  que fazia as estruturas celestiais estremecerem.
E nos alegrávamos porque um dos dias para o qual nascêramos era chegado… 

O Princípio de todas as coisas que seriam visíveis aos olhos do ainda incriado homem, criatura no qual esperanças incompreensíveis seriam depositadas.

Sete seriam as vezes que os céus se silenciaram por completo. 

Esta era a primeira vez.

O Senhor pediu silencio. Ele se ergueu acima da sua morada. 
Junto a ele subiram os cinco querubins.

Nós olhávamos.

O Senhor disse:

-O que estais esperando? Vinde!

O silencio foi quebrado pelos bilhões que se erguiam até sua presença. 

Então pela primeira vez fizemos silencio 
(que eu me lembre, assim em multidão, talvez a última) 
fomos com o Senhor até ao lugar determinado.  

Testemunhamos o nascimento de todas as coisas, quando ele chamou a si do nada, a tudo que existia.
Perfeitas como sua face.

Então… Não nos contivemos… De novo.
Para não perder o costume…

Nós, anjos, quando em algazarra, somos a coisa mais ruidosa que a criação possui.


Gn:1:2: E a terra era sem forma e vazia; e havia trevas sobre a face do abismo; e o Espírito de Deus se movia sobre a face das águas.


Logo depois do cataclisma

Era a segunda vez que ficávamos em silencio desde o princípio.

Desta vez não nos aproximamos.

Porque o tudo pode parecer tão pouco?

Que há além da paz e da harmonia e que importa o poder ilimitado, se não há razão no que se cria? 

Porque escolher a dor em vez da vida, amargura ao amor, escuridão onde reina a luz? 
Conhecimento não é sabedoria. Sabedoria sem amor não enriquece seu possuidor.

Deus possui sabedoria infinita. Possui conhecimento inimaginável.

E bem sabe que o conhecimento não é a melhor ou a maior dádiva. Às vezes, somente um fardo.

Somente um fardo.

Silenciávamos pela perda de irmãos. De amigos. De seres de grandeza incomensurável. 
Já não haveria danças como as que aconteciam naqueles dias de outrora. 
A harmonia fora quebrada. 

Algumas coisas que já existiam antes dos dias de dor começavam a fazer certo sentido.

Sempre perguntávamos o porque do véu na pequena tenda, na qual entrávamos, onde havia aqueles pequenos querubins feitos de ouro… 

Porque havia véu, se víamos perfeitamente através de todas as cortinadas?

E diferente das coisas que havia nos céus, aquelas coisas eram feitas de que?

Que era aquele conjunto de coisas minúsculas, cuja estrutura contemplávamos…
Os pequenos grãos… e as forças que caminhavam ordenadas e que sustentavam os pequenos grãos… 

um dia os homens chamariam essas coisas de átomos… 
Que de perto eram como o vazio e de longe como o ouro…

As trevas se estenderam sobre os horizontes da expansão criada. 
Quando o cataclisma celeste terminou, nós nos perguntávamos porque Ele não a impediu de todo.
Suas são as cordas que amarram os tecidos da existência. 
São seus os poderes sustentadores de todas as coisas.
O que aconteceu afrontou as cordas e despedaçou as colunas firmadas segundo sua sabedoria.
Aquele no qual não habita trevas, agora em Espírito,  caminhava sobre sua criação vitima do ódio.

O coração caminhava sobre a escuridão.

Poderes foram abalados. 
Um ser criado decidiu contra a decisão. 
Uma criação permitiu-se amar as trevas mais do que a luz. 
Ao caos mais que à vida. 
Recusou o propósito de eternidade e recusou a vida como profissão. 
Um que cria que o poder devia dominar. 
Um que pensava que a força devia destruir. 
Que o eterno deveria cessar. 
Que Deus não era digno do poder incomensurável que nele habitava. 

Este ser preferiu a si mesmo antes de todas as coisas.

Quem poderia medir o seu poder no dia em que enlouqueceu? 
Um universo inteiro jazia sobre uma destruição premeditada. 
Destruição que só foi contida por um poder ainda maior. 

Entretanto, se por um momento a semente de vida que Deus espalhou entre os seres celestiais, fosse retomada,
se por um momento na sua vontade houvesse uma sombra, um não, um chega, um basta…

Que seria do bastardo… e de todos nós…

Nós entendíamos que de algum modo, pesávamos no seu coração.
Por isso nos calamos quando seu Espírito pairou sobre a face do abismo.

Nós podíamos vê-lo. Somente nós podíamos ver seu espírito.

Não queimava sua presença em nossos corações?
Sim. Mais forte do que tudo.

Ele queimava.
Ele queimava.

Então o Senhor se aproximou, ele e quatro querubins. 

Seu Espírito envolveu a todos os querubins e ao Senhor. 
E as faixas prateadas romperam sobre a nossa multidão. O Senhor parou sobre a face do abismo. Bem sabia o que iria fazer.
Ergueu suas mãos para o alto.

Incandesceram as mãos de Deus. 
Os Querubins incendiaram. 
Incandesciam os querubins.  
E os nossos corações queimaram.
E a massa informe se movia…
Os cordões antes partidos
recriados foram todos… 
e o Senhor nos olhou. E sorriu.

Ainda estava erguida sua mão, quando sua voz crispou todas as dimensões e foi ouvida até no seu santuário celestial:

– Haja luz

E ela resplandeceu.
Welington Corporation

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: