NARCISA

Narcisa nasceu com 2300 g numa tarde de inicio de primavera dia 22 em setembro no Hospital Sírio Libanês, filha de Bellinda Marcondes Andrada, carioca de 26 anos, de olhos castanhos e tês branca, natural de Niterói, que odiava ser chamada de papagoiaba, dona de uma pequena loja de artesanato, descendente de italianos e filha de Geraldo Gusmão Lancellote, gaucho que imigrou dos pampas ao Rio de Janeiro para trabalhar numa Consultoria de software, dono de um largo sorriso, robusto e de avós alemães. Os amigos de Geraldo gostavam de dizer que era bom ter um participante da Tavola Redonda como amigo.  Moravam na Tijuca, próximos a Conde de Bonfim, numa velha casa em constantes reformas. À menina deram o nome de Narcisa. Narcisa Marcondes Andrada Lancellote.  
Narcisa crescia normalmente como qualquer criança de sua idade. Pelo menos até os dois anos de idade. Foi quando os pais perceberam que sua filha era um pouco “diferente” das demais crianças de sua idade. Haviam comprado um quebra-cabeças de
5000 peças e estavam montando ele no chão da sala, enquanto Narcisa estava sentada no sofá apertando aleatóriamente os botões do controle remoto. Bellinda foi até a cozinha pegar alguma coisa para comer e Geraldo atender ao telefone. 
Dois minutos depois quando chegaram na sala viram todas as peças do quebra-cabeça espalhadas por toda a sala, pelos corredores, sobre as almofadas, em cima dos móveis. Sobre a televisão. E Narcisa olhando atentamente a sua obra. Os pais riram com o quadro caótico das peças espalhadas por toda a casa. Mas foram parando de rir a medida que a menina foi até o quarto e trazendo na mão uma peça aleatória a encaixou exatamente onde deveria se encaixar. E depois foi até a televisão e encaixou a terceira. E depois foi ao final do corredor e trouxe a quarta peça. Por incansáveis três horas a menina de dois anos andava pela casa e sempre trazia as peças exatas. Duas, seis, dez peças de cada vez. Então ela completou o gigantesco quebra-cabeça, sentou no sofá, sorrindo se deitou e dormiu exausta, na frente dos assustados pais.
Narcisa was born with 2300 g one afternoon early spring, Sept. 22 in Syrian-Lebanese Hospital. Daughter of Bellinda Marcondes Andrada, Carioca 26, hazel eyes and white skin, natural of Niterói girl who hated being called “papagoiaba.” Belina owns a small craft shop and is also of Italian descent. Narcissa’s father, Geraldo Lancellote Gusmao, who immigrated gaucho is the “pampas” to Rio de Janeiro to work in a software consulting company. Geraldo owns a broad smile, robust fellow, with German grandparents.
Geraldo’s friends liked to say that it is good to have a participant of the “Round Table” as a friend, because the surname “Lancellote.” The famíila lived in Tijuca, living near Conde de Bonfim, in an old house in constant reform. To the girl called Narcissa. Narcisa Marcondes Andrada Lancellote.
The daughter Narcissa grew normally, like any child his age. At least until his two year old. That’s when his parents realized that their daughter was a bit “different” from other children his age. They had bought a puzzle of 5000 pieces and were setting it on the floor of the room, while Narcissa was sitting on the couch pressing random buttons on the remote control. Bellinda went to the kitchen to get something to eat and Geraldo got up to answer the phone that rang insistently.
Two minutes later, when they returned to the room and found all the pieces of the puzzle spread all over the room, as well as in  the corridors, on the pads and on top of furniture. And Narcissa was looking closely at their glorious work .
The parents laughed with chaotic picture of the pieces scattered throughout the house. But were stopped laughing when the girl went to the room, and having in his hand a piece random, fit exactly where it should fit. And after that she went to the TV and the third piece into place. And then went down the hall and brought the fourth piece.
Tireless in three hours, the two year old girl was walking around the house and always had the exact parts.
Two, six, ten pieces each time.
Then she completed the gigantic puzzle, sat on the sofa, smiling, lay down and fell asleep exhausted, in front of frightened parents.
Narcisa sorria.
Sinistra e discretamente.
São exatas oito horas da manhã. Narcisa, sete anos de pura e genialidade maligna, caminha lenta e suavemente em direção ao monitor de seu andar na escola em que reside. Faltam 20 minutos para o fim do mundo, e ela será a causadora dele.  Esfregando as lentes de seus grossos óculos, Fernando, o zeloso monitor das crianças irrequietas e festivas do Colégio Arte e Intenção, não imagina que em sua direção naquele exato momento caminhava o quinto cavaleiro do apocalipse.
A pequena e doce Narcisa. De olhos meigos e lindas tranças negras que ultrapassavam sua cintura, olhos acinzentados e brilhantes, pele branca como de uma harpia e lábios vermelhos como tomate colhido na véspera.
E tendo no coração a tormenta.
Arrasta solenemente Matilda, sua sofrida boneca de pano, Fernando conhece a boneca encardida que Narcisa arrastava desde que entrou na pré-escola cerca de dois anos antes. Coincidentemente a mesma época do incêndio, da invasão das vespas, um pouco antes da explosão do microondas da cantina, logo após o curto-circuito causado pela inundação do segundo andar.
O a boneca sempre era arrastada por uma das pernas enquanto a cabeça ia batendo pelos degraus enquanto subia as escadas ou as descia, sempre correndo.
E eis que vinha Narcisa. Fernando passa a mão pelo nariz e levanta a lente em direção da menina, que fica meio distorcida na lente, parando como um fantasma diante de sua mesa no meio do corredor, imóvel.  
Fernando abaixa a cabeça em direção da menina que lhe sorri docemente. Por algum motivo estranho sempre que a Narcisa chegava à sua mesa o colégio ficava num momento de absoluto silencio. Talvez fosse só uma coincidência, porque instantes após voltava o som das vozes e da algazarra das crianças. 
– Fale Narcisa, o que você deseja? Pergunta o prestativo e inocente monitor do segundo andar.
– Sabe… “seu” Fernando… eu… tô com dor de cabeça… eu estava brincando com a “luzinha” azul… e de repente comecei a ficar meio enjoada…
– “Luzinha azul”? Que raio de “luzinha azul” é essa Narcisa? Pode mostrar para o tio? O que você está sentindo, querida?
– “Tô meio enjoada…”
– Calma, vou te levar para a enfermaria, mas antes mostra pro tio a “luzinha azul”.
Narcisa balança docemente a cabeça esfregando os olhos e aponta para o pátio da escola. 
Fernando leva-a pela mão e pede para que ela indique o local onde está a tal da “luzinha azul”. Quando chegam ao pátio, ela aponta para uma caixa. Uma pequena caixa. A caixa tinha algumas inscrições. Era metálica e parecia muito pesada e possuía um símbolo.  Antes de ser monitor Fernando trabalhou alguns anos em  áreas industriais. E conhecia muito bem o símbolo que estava na caixa. Significava “perigo – radioativo”
Narcisa inocentemente aponta para o artefato metálico e após para alguma coisa que parece brilhar logo após a caixa.
O monitor do colégio mandou isolar a área. Chamou a policia, o corpo de bombeiros e até aos fuzileiros navais. A rua se encheu de curiosos. Um cordão de isolamento foi armado enquanto retiravam as crianças do colégio, no mesmo momento em que ambulâncias chegavam e um carro de técnicos da comissão nuclear. Dois técnicos vestidos de roupas a prova de radiação saíram dos veículos munidos de medidores de radiação e roupas especiais. Pais chegavam com seus automóveis em profusão, enquanto estações móveis de televisão se posicionavam diante do que parecia ser o quadro de um ataque terrorista. Na verdade uma equipe tática do exército despejou cinqüenta e dois soldados de três caminhões ao lado do colégio. Houve um telefonema anônimo naquela manhã para o ministério do exército, mas ninguém deu muito crédito porque a voz que realizou a denuncia era de uma criança. Especificamente, a voz de uma menina.
A confusão ficava maior a cada momento, a equipe médica proibiu a saída das crianças da área isolada enquanto não fosse verificado se havia contaminação radioativa de alguma delas.
A primeira criança a ser examinada foi a Narcisa, que felizmente não apresentava nenhum vestígio de contaminação.
Os pais furaram o bloqueio em direção às crianças recém-liberadas, mas foram contidos pela barreira de militares.
Foi quando finalmente começou o tumulto.
 
 
Indiferente a gritaria e a histeria da multidão, uma criança sorria.
Sinistra e discreta.
Narcisa…
Não. Nunca encontraram nenhum vestígio de radiação no pátio do colégio. Sim. O artefato era falso. A “luzinha azul” era só uma lâmpada com led. Um led azul.
Não. Nunca descobriram o autor da proeza.
Narcisa ganhou uma semana em casa.
Para se recuperar do trauma.
st1\:*{behavior:url(#ieooui) } <!– /* Style Definitions */ p.MsoNormal, li.MsoNormal, div.MsoNormal {mso-style-parent:""; margin:0cm; margin-bottom:.0001pt; mso-pagination:widow-orphan; font-size:12.0pt; font-family:"Times New Roman"; mso-fareast-font-family:"Times New Roman";} @page Section1 {size:612.0pt 792.0pt; margin:70.85pt 3.0cm 70.85pt 3.0cm; mso-header-margin:36.0pt; mso-footer-margin:36.0pt; mso-paper-source:0;} div.Section1 {page:Section1;}
Da redação da Welington Corporation

  

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: