Simulacro

Em resposta a certas perguntas.
Definir Deus é como definir a vida. Defina vida. Não preciso ir tão longe, posso focar uma dimensão qualquer sobre a vida, em especial na área da percepção. Defina ver. Tente definir a visão.
Deus é em absoluto maior que a vida, vida que Ele mesmo criou. A tarefa é maior que a viagem que um ser humano poderia empreender. Não temos capacidade cognitiva ou intelectual para entender aquilo que ele é. 

 

 

Seria presunção idiota um reducionismo que tentasse abarcar todas as dimensões de sua existência, poder e transcendência, em forma de definição. E mesmo se Deus se manifestasse fisicamente, e mirasse nos nossos olhos falando daquilo que ele é, entenderíamos parte pequena, muito diminuta mesmo dessa história. Tudo que sabemos sobre Deus é por REVELAÇÃO.

A natureza ao redor de nós, o universo, a vida, as leis físicas, a energia. O canto de uma baleia. O vôo de uma águia. As miríades de estrelas num manto negro ao anoitecer e as nuvens carregadas de água sobre um céu azul cintilante ao amanhecer. Tudo isso é uma revelação. As obras criadas manifestam sua pessoa, sua essência de vida, sua inteligência, seu tremendo e incontestável poder. Sua grandeza. Sua magnificência.

O primeiro patamar de revelação divina é o universo. O segundo patamar é a PROFECIA. Os sonhos, as visões, as revelações, a Palavra dada ao espírito humano, para que ele perceba coisas além do UNIVERSO. Porque Deus transcende o universo e a vida, e a PROFECIA é uma das manifestações divinas que dirige o homem a lugares e dimensões celestiais. Ela o encaminha a conhecer realidades que são adjacentes, superiores, transcendentes e eternas.

 

O profeta vê o invisível:
Hebreus
18 Porque não chegastes ao monte palpável, aceso em fogo, e à escuridão, e às trevas, e à tempestade, E ao sonido da trombeta, e à voz das palavras, a qual os que a ouviram pediram que se lhes não falasse mais; Porque não podiam suportar o que se lhes mandava: Se até um animal tocar o monte será apedrejado ou passado com um dardo. E tão terrível era a visão, que Moisés disse: Estou todo assombrado, e tremendo. Mas chegastes ao monte Sião, e à cidade do Deus vivo, à Jerusalém celestial, e aos muitos milhares de anjos; À universal assembléia e igreja dos primogênitos, que estão inscritos nos céus, e a Deus, o juiz de todos, e aos espíritos dos justos aperfeiçoados;   
Porque parte do mistério de Deus não está contido na realidade na qual vivemos e existimos. Ultrapassa tal fronteira.  Em todos os patamares, incluindo o da existência de vida que transcende a nossa, a existência angelical. E os profetas viram e tremeram ao ver coisas que aconteciam na terra, mas cujos reflexos se estendiam até os lugares celestiais.

 

 

E Deus se define não somente por aquilo que realizou, mas por coisas que ainda realizará, num futuro idealizado por Ele, segundo um propósito que tem inicio antes do nascimento do primeiro homem. E que abrange no mínimo duas realidades, a nossa e a celestial. 






O universo é uma extensão de Deus, nós vivemos nEle, por assim dizer. Não há a possibilidade da não interferência divina, porque é dEle quem fluem a vida para todos os seres vivos. A vida é sustentada com base no seu poder que atua hoje, conectando o universo a ele, continuamente.




A vida não é uma simulação.






Ou um simulacro. 
Simulacro lembra a atitude de um falsário que inventa uma inverdade com a intenção de beneficio próprio. Simulacro lembra uma realidade manipulada, uma realidade artificial pré-programada onde pessoas mergulham num mundo limitado por rotinas de programação,





onde tudo que podem fazer está limitado por códigos, matemática, com uma finalidade determinada, seja pilotar um avião, andar num skate virtual, passear por uma planta de processo ou simular as reações humanas criando arquéticos de inteligência artificial.

Deus não é um falsário. Não é um programador. A Vida não se baseia em matemática, apesar da matemática estar presente no código do universo. As simulações geram uma “versão” da realidade. São uma “mentira” disfarçada de “verdade”, são “ilusões” que procuram captar uma parte da realidade, tentando “controlar” uma dimensão minúscula dentre as muitas disciplinas que compõe um pedaço da realidade controlado.
A vida é mais que pedaços da realidade controlados. Ela transcende qualquer noção de “controle” continuo.

 




A Vida é ORGANIZADA, mas é LIVRE. Porque a natureza de DEUS impregna o universo. E nele há liberdade. Um simulacro é uma prisão. O caminho da águia no céu é uma herança de Deus. Um presente. 
Prenda uma águia e ela morre. Sua essência é os céus, sua essencia é voar. 

 

O homem não sobrevive se impedido de exercer continuamente sua vontade. Por isso odiamos as ditaduras, a tortura, por isso a prisão é hoje um dos piores castigos em todas os códigos penais internacionais.

Porque a alma humana que recebeu de DEUS sua imagem entende que a liberdade é um dom e que sua ausência é uma maldição.

 





Acusar o universo de ser um simulacro é a maior mentira que um ser humano poderia fazer. Porque TUDO ao nosso redor e até dentro de nós mesmos anseia pelo DIREITO de viver em PLENITUDE, e essa é a essência da vida. A não ser que você não entenda bem essa questão da necessidade de ser livre para exercer a vida.





Ou NEGUE que a vida respira a liberdade.
Deus é compromissado com sua criação. E seus planos não estão voltados para si mesmo. Ele vive seu “game” e está disposto a dar sua essência por valores nos quais Ele acredita. A vida não é uma aposta divina.



É uma PROPOSTA que atende não a uma “pirraça” divina, mas a um SONHO.




Os planos de Deus se baseiam na sua Vontade, nos seus desejos e propósitos.

Mas maior que sua VONTADE é sua VOCAÇÃO para o BEM. Seus desejos se fortalecem com bondade. E seus propósitos são absurdamente desinteressados. Por algum motivo maravilhoso, o único Deus Todo-poderoso do universo ao qual pertencemos é bom. É só olhar para um pardal





É só desfrutar do fruto da videira, da oliveira, é só lembrar do cheiro de pão quente, do gosto da manga, e da algazarra das crianças. O que moveu a Deus a criação de tudo não foi sua solidão.




Porque nós vivemos NELE (…não do mesmo modo que na figura acima…) Deus é COMPLETO em si mesmo.
Porém os propósitos de Deus envolvem sua criação, envolvem os espíritos humanos e os espíritos dos anjos.
Propôs Deus compartilhar sua essência, seu poder, propôs Deus multiplicar-se, manifestar-se, gerar a vida e dar a vida aquilo que habita NELE por toda a eternidade. O Universo é fruto de Deus. Os anjos são gerados a partir DELE.  Deus DOOU de si mesmo para que você pudesse ter pais. Para que o homem exista, há um sopro, há uma essência doada. A vida é um movimento do Espírito de Deus. É uma das manifestações dele no Universo. O Universo é um outro movimento da VIDA de Deus. Tudo que você vê são movimentos divinos. A Vontade de Deus manifesta a vida de acordo com um propósito. Mas a vida é PARTE da vontade de Deus. Não há a possibilidade da não interferência de Deus nas coisas por ele criadas, em especial na vida do homem. Ele já está compromissado com o que fez até a alma, por assim dizer.  Das leis que regem o universo ao sustento das estruturas espirituais. E no bojo de tudo, o homem. O universo é uma revelação, e homem é aquele a quem Deus tem o objetivo de conceder essa revelação. Para elevá-lo, para completá-lo, para APREFEIÇOA-LO. Para transformá-lo. E para tal, necessita ENSINAR o homem a viver.




Para isso Jesus foi enviado a terra. Para isso os profetas recebem orientação. Para isso TODO HOMEM é apto para conhecer, aprender, ouvir, ter comunhão com o Espírito de Deus e conhecê-lo. Não há acepção de pessoas nisso. Não depende da capacidade intelectual do homem, de sua cultura, da estrutura social ou de sua capacidade econômica.




Porque A VIDA é uma DÀDIVA sob qualquer circunstancia, e para CONHECER a DEUS o homem foi chamado a existência. Para isso nascemos. Essa é a vocação de todo homem. Não é a capacitação intelectual que fará o homem se aproximar de Deus. É seu desejo de entender o mistério da vida, é sua necessidade alcançar a paz, a alegria verdadeira, é o desejo de entender a razão para viver e o anular em sua vida todo poder amaldiçoado, maligno, que o impede de ter plena comunhão com essa essência.



São pescadores aqueles quem Jesus irá chamar para segui-los.





Será uma  (ex) prostituta que estará abraçando aos pés de Cristo no jardim da ressurreição e será ela, uma mulher discriminada, maltratada, indigna diante da sociedade contemporânea, seja por sua condição feminina, inferior, seja por sua condição econômica, de pobreza extrema, seja por sua condição religiosa, impura, pecadora, justamente a ela que a MAIOR declaração da história humana será emitida:
Disse-lhe Jesus: Maria! Voltando-se ela, exclamou em hebraico:
Rabôni! (que quer dizer Mestre).
Disse-lhe Jesus: Não me retenhas, porque ainda não subi a meu Pai, mas vai a meus irmãos e dize-lhes: Subo para meu Pai e vosso Pai, meu Deus e vosso Deus 

Não é o presente divino, sua atuação, a manifestação de seu poder, a entrega de uma revelação, a operação milagrosa, a orientação dada a alguém que o tornará SUPERIOR a outro homem. Só mais endividado (piadinha bíblica para profetas, apesar de ninguém rir…)




E de maneira alguma isso incorpora PREFERENCIA divina, antes PREFERENCIA HUMANA. ESCOLHA E DESEJO humano, amor a DEUS que faz com que o homem dele se aproxime. Deus se deixará achar por todos que o buscarem, de igual modo. 

Mesmo a ESCOLHA divina, sua eleição, quando um ser humano é SEPARADO para realizar algo, o faz para ABENÇOAR a milhares ou a milhões. O Homem abençoado por Deus derrama benção sobre a multidão dos que não o buscam.

 

É o líder da comunidade com o coração cheio de JUSTIÇA, porque TEME a Deus e anseia viver uma vida correta.
É o Juiz sábio que não aceita suborno e que almeja conhecer a verdade por detrás de cada caso para JAMAIS punir o inocente no lugar do culpado. É o Legislador inspirado, que antes de pensar numa lei, sabe que a expectativa de idoneidade o aguarda, porque o Espírito de Deus enche seu coração. É o Pai de família que recebe um sonho e a partir daí dirige seus passos, para salvação e preservação de sua casa.




Se não houvesse atuação sobre a humanidade, sua orientação, sua inspiração, há muito não haveria sociedade. 
De onde vem a inspiração dos cientistas? 
Não há elo psíquico que conecte ou esclareça a descoberta ao experimento em milhares de soluções que hoje acrescentam melhorias e PROMOVEM a POSSIBILIDADE da existência hoje de 6 bilhões de seres humanos. Parte do que o ser humano sabe aprendeu por si próprio, parte do que ele julga saber ,  a ele foi revelado.  



Deus levanta profetas, apóstolos, mestre na Palavra, conduzindo ao conhecimento da pessoa de Jesus, através do qual DEUS É CONHECIDO EM SUA PLENITUDE










Conduzirá propositalmente o homem a si mesmo. E a terra é modificada pela ORAÇÃO humana, pela intervenção divina fruto da fé. Porque uma das leis que regem o universo é de que DEUS responde orações daqueles que nEle esperam.











 E a história humana é MUDADA pela oração de homens que INTERFEREM nessa história por não aceitar a imposição do DESTINO, a imposição das CIRCUNSTANCIAS, a imposição das LIMITAÇÔES econômicas. Uma das leis da VIDA manifesta por Deus é que havendo a FÉ, milagres transformarão a terra.









Porque a vida possui um propósito e LEIS espirituais foram dadas como ORDENAÇÃO a todo homem, para que tal propósito seja alcançado. A fé é uma dessas leis. O amor ao próximo é outra dessas leis. A resposta a oração é outra. Você se torna diante de Deus o que seu desejo, sua busca, sua disposição e sua fé permitirem. Deus trabalha continuamente para que os recursos de crescimento espiritual não sejam negados a nenhum homem em nenhum lugar. Para isso a pregação do evangelho, para espalhar ao mundo o Conhecimento da fé, do amor incomensurável de Deus, o PODER que ele quer conceder a todo ser humano, a possibilidade da comunhão plena.






A vida possui um propósito, a vida humana em especial. Sobre o homem gigantescas expectativas de Deus foram colocadas. Nesse sentido estreito, há uma aposta divina no homem. Nele foram colocadas sua imagem, sua semelhança, sua vocação para transcender. Num propósito que se cumpre não somente na duração de sua existência, mas também no amanhã.
“E vi um novo céu e uma nova terra. Porque já se foram o primeiro céu e a primeira terra, e o mar já não existe. E vi a santa cidade, a nova Jerusalém, que descia do céu da parte de Deus, adereçada como uma noiva ataviada para o seu noivo”( Apocalipse 21.1-2 ). Viveremos em perfeita harmonia ao lado de Jesus Cristo para todo Sempre. Deus viverá conosco, ele há de vir para nós, habitará conosco para todo sempre “E ouvi uma grande voz, vinda do trono, que dizia: Eis que o tabernáculo de Deus está com os homens, pois com eles habitará, e eles serão o seu povo, e Deus mesmo estará com eles. Ele enxugará de seus olhos toda lágrima; e não haverá mais morte, nem haverá mais pranto, nem lamento, nem dor; porque já as primeiras coisas são passadas” ( Apocalipse 21.3-4)

Transgredir as leis divinas significa descumprir duas diretrizes (parafraseando   Isaac Asimov) básicas: Amar ao próximo como a si mesmo e a Deus acima de todas as coisas.  Esses dois propósitos são parte da razão para qual o homem foi criado. Ao quebrá-los o ser humano se desumaniza. Perde sua humanidade. O que me lembra sobre o comentário “Deus foi se desumanizando com o tempo” – Por parodoxal que seja, quanto mais cumpridores da Lei divina, mais humanos nos tornamos. A Palavra de Deus humaniza o ser humano




Certa mulher, de nome não revelado, tinha trazido consigo um grande frasco de ungüento perfumado e, permanecendo por trás de Jesus, enquanto assentado ele tomava a refeição, começou a ungir os seus pés, ao mesmo tempo em que também umedecia os pés dele com as suas lágrimas de gratidão, enxugando-os com o próprio cabelo. E quando acabou essa unção, ela continuou chorando e beijando os seus pés.
Quando Simão viu tudo isso, ele disse para si próprio: “Se esse homem fosse um profeta, teria percebido que espécie de mulher é essa, que toca nele assim; e que é uma pecadora notória”. E Jesus, sabendo o que se passava na mente de Simão, manifestou-se, dizendo: “Simão, tenho algo que gostaria de dizer a ti”. Simão respondeu: “Mestre, diga, pois, o que é”. Jesus então disse: “Um certo homem rico, que emprestava dinheiro, tinha dois devedores. Um devia-lhe quinhentos denários e o outro cinqüenta. Ora, nenhum dos dois possuía com que pagar e ele perdoou-os a ambos. Qual dos dois supões, Simão, que o amará mais?” Simão respondeu: “Suponho que seja aquele a quem ele perdoou a maior quantia”. E Jesus disse: “Tu julgaste certo” e, apontando para a mulher, ele continuou: “Simão, dá uma boa olhada nessa mulher. Eu entrei na tua casa como um convidado, mas tu não me deste nenhuma água para os meus pés. Essa mulher agradecida lavou os meus pés com lágrimas e enxugou-os com os próprios cabelos. Tu não me deste nenhum beijo de acolhimento amistoso, mas essa mulher, desde que veio até aqui, não cessou de beijar os meus pés. Tu não ungiste a minha cabeça, mas ela ungiu os meus pés com loções preciosas. E qual o significado de tudo isso? Simplesmente que os seus muitos pecados lhe foram perdoados, e isso levou-a amar muito. Mas aqueles que não receberam senão um pouco de perdão, algumas vezes não amam senão só um pouco”. E voltando-se para a mulher, tomou-a pela mão e, levantando-a, disse: “Tu de fato te arrependeste dos teus pecados, e eles te foram perdoados. Não fiques desencorajada com a atitude impensada e pouco gentil dos teus semelhantes, vai, no júbilo e na liberdade do Reino do céu






Se Deus ensina o homem a ser humano, imagino ser ele, mais humano do que nós.





Cristo significa Deus conosco, como se Deus em carne caminhasse entre nós, e de fato o era. Pela palavra de Deus os profetas pregaram JUSTIÇA social até a morte súbita, Jesus vomitava sobre as crendices e postulados injustos, resgatava a dignidade de uma moça, diante de alguém que representava o SACERDÓCIO ou o ENSINO RELIGIOSO em seu tempo.









 Essa doutrina ainda o levaria até a crucificação. A revelação divina, pregando o amor como caminho, MATOU A CRISTO.  Deus foi mais homem enquanto humano, do que a maioria de nós, que agimos como se fossemos deuses.  Embora uma dimensão de Deus, somente UMA dimensão de Deus estivesse em Cristo, TUDO que dela emanava, era de ilimitada humanidade. Se Deus incompleto – dada a época de sua PAIXÃO, é mais humano do que nós, não vejo como encontrar nele desumanidade.
 

Todo mal na terra vem do descumprimento desses dois propósitos. A guerra, o capitalismo, a traição, a tortura, o assassinato, as drogas, a exploração trabalhista, a exploração política, a segregação racial, a falsa relação. 
Sobre Céu e inferno. 
A palavra inferno traduz “Hades”, “Sheol” e “Geena”. Algumas vezes “Tártaros”. Relacionavam regiões espirituais onde habitavam os mortos, referiam-se ao destino espiritual de todos o viventes, até ao menos, a ressurreição de Cristo. Representam a morte, o domínio da morte.

A visão do inferno encapetamoninhado, tridente, fogo, caldeirão e as piadinhas, são fruto da mente e da imaginação religiosa da idade média. Fruto de uma igreja doente, de uma religião idiotizada e opressa.

O homem possui tanta podridão, tanta maldade, que é capaz de transformar até mesmo a pregação do evangelho em um filme de terror. Não há como ajuntar mentalidade, o desvario, a ganância, o egoísmo, a ilegitimidade humana, ao Evangelho, porque o Evangelho NÃO FAZ CONCESSÃO NEM A INCREDULIDADE E NEM AO PECADO.
Sem fé é impossível alcançar a Deus e sem amor ao próximo é impossível ter comunhão com Ele.
O poder do evangelho não é dado ao incrédulo e nem ao religioso.
Não há aceitação do padre pedófilo, do pastor em desonestidade, de qualquer que coloque um rótulo e aparência de santidade, diante de Deus.

A vocação humana para a realização do bem não é negociável diante de Deus. O inferno não existe nos termos apresentado pela maioria das religiões, nem na concepção de alguns estudiosos das Escrituras. 

Porém, a morte é uma realidade, a destruição do corpo, dos sonhos, da alegria, dos projetos. Há o inferno em vida, quando vivemos sob o domínio de seres humanos sem coração e sem alma. E há o final de todas as coisas. A morte não representa o fim da história humana. Há um propósito na vida e no aperfeiçoamento do espírito humano. E esse propósito é a eternidade.
“E ouvi uma grande voz, vinda do trono, que dizia: Eis que o tabernáculo de Deus está com os homens, pois com eles habitará, e eles serão o seu povo, e Deus mesmo estará com eles. Ele enxugará de seus olhos toda lágrima; e não haverá mais morte, nem haverá mais pranto, nem lamento, nem dor; porque já as primeiras coisas são passadas” ( Apocalipse 21.3-4)
E quem viver contra o propósito divino, não alcançará o que os profetas divisaram. Isso é o significado da palavra “SALVAÇÃO”. No grego original, Preservar, Guardar, Curar, Resgatar, Livrar.
A palavra “inferno” significa hoje (com ênfase no hoje),  somente um lugar qualquer no domínio da morte.
No que diz respeito a AMANHÃ, as Escrituras mostram o instante que até o próprio “inferno” é destruído. Mas não só o inferno, mas até a própria morte deixa de existir, para cumprir algo que foi dito, pra variar, para um profeta.
A questão que envolve o homem não é ir ou não para o inferno. É ser Salvo ou não. Todos estamos condenados a destruição.

 


Todos possuem um encontro marcado. 







Os gregos colocavam uma dracma em cada olho do morto para pagamento do barqueiro Carontes que cruzaria com ele o rio da morte o Estige até a entrada do hades.

E se o homem não tivesse que pagar o tal Carontes? E não tivéssemos que passar por nenhuma região da morte? E se não necessitássemos  ter que morrer, independente da mitologia grega ou do dilema de Bela


A vida humana é uma dádiva, mas envolve um chamado. Uma vocação. Uma finalidade. Um desejo e um sonho que se iniciam antes que o homem nasça. Um mistério que repercute dentro do coração dos anjos.  Há uma expectativa que percorre a criação, há ao redor de nós e dentro de nós uma chama que anseia jamais se apagar. Não só em nós. Até num peixe. Num pardal. Num hamster. Numa formiga. Numa abelha. A criação geme pelo direito de PERMANECER  a viver, de CONTINUAR a existir. Uma águia deseja voar para sempre. Um João de Barro gostaria de continuar fazendo suas casas de barro enquanto houvesse barro.
É para esse mistério de uma vida que não cessa, num universo em que não há morte que o ser humano foi chamado. Ele é chamado simplesmente de Novo Céu. E a essa terra onde as leis biológicas serão corrompidas no cerne, porque toda a cadeia de seres vivos depende da morte pra permanecer, mas não lá, é denominada Nova Terra. E a todos os que se tornarem dignos do reino que esta chegando, são chamados de filhos de Deus. Esta é em parte uma das dimensões do significado da Salvação. O direito de permanecer num universo que está sendo gerado. E todos os que não viverem segundo um coração amoroso, tratando com dignidade ao outro, vivendo da mesquinhez do dia que vive, entesourando para si os bens que deviam ser de muitos, vivendo como se sua vida fosse o mundo, e os outros nada valessem, não habitarão a eternidade. Terminarão junto com seus túmulos. Porque o resto é só um processo. Quando expirarem, terão selado seu destino, como aqueles que fracassaram de sua vocação maior, que era de serem aprovados por Deus para ingressarem na segunda fase de suas vidas. Esse é o grande mistério por detrás do Evangelho, poder para transformar o coração humano através do arrependimento, para receber uma fé permanente que gerará mudança, aperfeiçoamento.
Como um Deus que é Deus permite então tal coisa, que uns vençam e outros não? Que uns sejam recompensados e outros não? A resposta não está na ONIPOTENCIA divina. Porque TODO o poder de Deus está disponível para TODO o homem através da fé. Não há os nascem malditos e escolhidos para a perdição. Tal visão é denominada ULTRACALVINISMO ou Predestinação Absoluta, que  é só uma tragédia teológica, uma reinterpretação amaldiçoada da Palavra de Deus. Todos nascem debaixo de uma promessa, uma PROFECIA, que diz que o homem pisaria sobre o poder das trevas e triunfaria. Mas a essência de Deus nos seres humanos lhes concede também a liberdade de escolher seus próprios destinos. De rejeitar o amor, de abraçar o ódio, de desfraudar a bandeira da corrupção. Assim filhos de pastores podem se tornar assassinos seriais. Assim um Apóstolo amado, escolhido depois de uma longa vigília pode simplesmente por trinta moedas de prata renunciar sua vocação apostólica, lançando um AMIGO a possibilidade de MORTE após tortura. Assim um homem que fez da morte a sua profissão pode deixar de lado sua espada e abraçar a vida, renunciando seu passado matador. Porque Deus concederá sua DOUTRINA para nos ensinar a viver, mas não nos OBRIGARÀ a fazer o que diz. Porque ele não ESCRAVIZOU a sua criação. Antes compartilhou com ela sua LIBERDADE de decidir.  E sobre o homem cabe a responsabilidade de DECIDIR. De ESCOLHER. Mesmo aqueles que não receberam bens, que vivem em dificuldade, mesmo os que sofrem, também necessitam escolher. E A balança não pesa para os que tudo possuem. “Vinde a mim os que estão cansados e oprimidos e eu vos aliviarei”. O sofrimento muitas vezes aproxima os homens de Deus. Os profetas escolhidos, separados, eleitos, seja como for, esses “privilegiados” em ouvir e receber dons sobrenaturais, comeram o pão que o diabo amassou. Apanharam e muito. Porque o evangelho SEMPRE recebe OPOSIÇÃO a sua pregação. O mistério do evangelho é de um chamado rejeitado, de uma voz abafada. Acordar as vezes é assustador. Entender que a vida não é desprovida de sentido, que não é o acaso que governa, que há um Deus vivo que concede vida em meio a um mundo nos quais tragédias ocorrem é avassalador.
Mas negar tal coisa… isso é querer viver num simulador. 
 

Deixar de crer nas profecias é transformar TODA sua vida num gigantesco game.
Porque um mundo sem Deus é simulacro. E muitos vivem dormindo

 

A profecia age para o homem como uma palavra que desperta o homem, assim como para o Neo de Matrix.
Mas o que envolve nossas almas é muito mais assombroso do que máquinas, ou que uma realidade fictícia.

Neo de Matrix trabalhava os parâmetros que um código de computador gerava em sua mente. Quando ele voa, o faz num mundo virtual.

Mas a fé altera a dimensão da realidade, na qual vivemos, respiramos e morreremos. E na qual RESSUSCITAREMOS se ousarmos crer.  A visão DESESPERANÇADA dos homens geram parábolas em filmes e livros, dentro de suas perspectivas LIMITADAS pelos poderes que se estabelecem nessa terra.

 



 

Nossa mente fica impedida de ver as coisas celestiais, de crer no poder e na beleza divina, e sem fé nós ficamos travados em nossos pequenos mundos feitos a base de filosofia barata.  Vivemos uma esquizofrenia cool. Chamamos o evangelho de mesmice religiosa, ou de pregação da efemeridade da crença. Invocamos a ilegitimidade de Deus, reiteramos a basófia da religião, proclamamos a manipulação da teologia.  Gostamos de exaltar a ignorância da bíblia, a falácia do profetismo. “Pensamos na exacerbação do mítico, no desvio psicológico dos denominados “dons” espirituais”.
Há um chamado para o ser humano, para vir e conhecer a Deus, para amá-lo, para segui-lo.
Então, deixe sua rede sem peixes, siga a Cristo e faça-se pescador de homens.
Porque já há uma cadeira com teu nome escrito na sala onde a Ceia do Cordeiro, quando Jesus ressurreto festejar a vitória sobre a morte, dias antes do inicio de NOVO.
Resta saber se você estará lá.

E havia um certo homem

E havia um certo homem
Que cria em não crer
Que se vangloriava em não saber
Que religiosamente, negou toda a fé
Cuja doutrina era a perene negação
De toda sombra sobrenatural
E havia certo homem
Que sonhou que era sábio
E incontaminado
Pela magia da religião
Pelos conceitos
De mitos pagãos
Pela ignorancia
De almas pobres
de espítos fracos
Que se deixaram convencer
Por sacerdotes do nada
Por pregadores de fadas
Num mundo de fanatismo
Arvorou ele a bandeira
De um coração sem fé
Porque a fé também
jamais existira
Havia certo homem
Cuja maior certeza
Era de caminhar sobre o nada
Porque o tudo veio a existir
Sem razào e sem causa
Sem ciencia de um criador
Porque tudo que se expressa matematicamente
Seja matéria, luz e energia
O foi por conta de cálculos indiscritivelmente belos
Sem que houvesse qualquer calculista
E que a própria matemática da vida
era uma mera abstração
E havia um homem
Sozinho e moribundo
Num universo de mistérios inexplicáveis
Que não lhe importou conhecer
E ele viveu sem tocar os anjos
E ele viveu sem enxergar
O Trono.
E ele não tremeu
Na expressão dos Querubins
E ele jamais sentiu a alegria
Que anjos que não existem sentem
Quando a salvação sob uma cruz inutil
Pendia de um morto, que na verdade
Também jamais ressuscitou.
E ele jamais entendeu porque chorava
A menina de nome Maria
Aos pés de um tosco jardineiro
No jardim da falsa ressurreiçào.
E ele não amou a Ester
Que caminhou num jardim sagrado
Porque nunca fora dado
A romances de ficção.
E havia certo homem
cansado e arrogante
Soberbo e endurecido
Cujo coração de pedra
jamais se tornou de um homem
E havia um certo homem
que na verdade
jamais viveu.
Porque na verdade o pobre homem
miserável homem
Sonhou que vivia.
mas não era verdade.
Como toda sua perspectiva
Isso também
Era somente
Ilusão.
Welington José Ferreira

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: